Reflexões na sala de espera

 

Estou sentada aguardando minha vez de ser atendida em uma Clínica de Imagens. Exame de rotina pra verificar se meu DIU se encontra no local correto (costumo checar a cada 6 meses com meu médico), como já aconteceu anteriormente do Mirena se deslocar, não deixo de fazer o exame para ter certeza da eficácia do método.

Algumas futuras mamães aguardam ao meu lado, uma delas chegou com seu andar cambaleante e a barriga bem grande, provavelmente nas ultimas semanas de gestação, pés inchados e um livro  “Auto-Estima do seu Filho” a tira colo.

A mulher sorridente não para de alisar a própria barriga enquanto faz a leitura do seu livro, ao lado do companheiro que também acarinha a barriga com ternura. Mais adiante observo uma moça mais jovem, barriga também grande, sem aliança nos dedos, que tecla com um semblante de preocupação, muito irritada e nervosa. Cada criança que vai nascer precisa de alguma forma destas famílias que escolheu, assim acredito.

Já estive naquela sala de espera algumas outras vezes…

Acompanhei a gestação de minha primeira filha, ainda muito insegura, sem saber o que seria da minha vida após a maternidade. Lembro de observar outras mães que aguardavam assim como eu, cada uma em uma fase. Já presenciei choro e minha mente fértil  sofreu a perda com aquela mulher desconhecida. Lembro das primeiras batidas de coração que escutamos, da ansiedade da espera da Translucência Nucal,  da expectativa da descoberta do sexo!

Já estive ali aguardando angustiada, sem saber se aquele sangramento após a descoberta da gravidez recente indicaria a interrupção da mesma. Escutei do meu médico que meu temor era real (parecia um pesadelo) mesmo assim ele tentava me consolar mostrando que eu já estava ovulando novamente. Ele provavelmente sabia que a tentativa de me deixar menos triste naquele momento era em vão e o que eu mais precisava naquele momento era deitar em minha cama e chorar bastante.

Nestas mesmas cadeiras acompanhei a gestação da minha segunda filha. Muito mais ansiosa que a primeira vez. Desta vez havia o medo de que a gravidez não fosse à diante como a anterior. Chegava a ficar em apnéia e enquanto não escutava a batida do coração do bebe, tentava me distrair com os movimentos do aparelho no gel gelado em minha barriga, e por um momento era capaz de acreditar ser capaz de calar o meu próprio coração!

Agora, voltando ao presente, na sala de espera, sinto um misto de saudades e alívio. Saudades da sensação de que a vida dentro da minha barriga me pertence e que tudo esta de certa forma sobre meu controle (doce ilusão). Alívio em pensar que a fase de incertezas e surpresas intrauterinas também estão no passado, dando lugar para outras épocas de surpresas e incertezas, mas desta vez podendo dividir e discutir com as duas filhas que não se cansam de crescer.

Me pego sorrindo e abraçando cada mulher da sala de espera.

Anúncios

Como montar uma lancheira equilibrada e saudável

 

Hábitos alimentares saudáveis são construídos, principalmente durante a infância.  O paladar da criança é formado até 2 anos de idade. Quanto mais as crianças adotarem hábitos saudáveis, mais positivo será o efeito na saúde delas, além de também influenciarem as crianças ao seu redor.

Na hora do recreio é necessário um lanchinho para repor as energias e voltar para a aula com muita disposição e o lanche pode ser saboroso e saudável.

O alerta é que um lanche inadequado: rico em alimentos industrializados, ricos em gorduras trans e gorduras saturadas (biscoitos recheados ou industrializados, salgadinhos, chips), embutidos (salame, presunto, mortadela, salsicha, linguiça), sucos de caixinha, prejudicam não só o desenvolvimento da criança, como o próprio desempenho escolar, e pode levar a obesidade, o aumento do colesterol e hipertensão.

O ideal sempre buscar ter na lancheira alimentos mais naturais, com mais fibras e mínimo de açúcar e de sódio. Evite incluir guloseimas como doces, bolinhos industrializados, achocolatados, ou prefira escolher apenas um dia na semana para que a criança opte por levar alguma guloseima que ela queira.

Para facilitar a montagem, escolha uma opção de cada grupo e monte o lanche escolar para cada dia:

Base = Alimentos para Energia:

(  ) Pão integral ou Pão comum

(  ) Biscoito de Arroz integral, ou Cookies integrais

(  ) Bisnaguinha integral

(  ) Muffin de Chocolate *ver receita abaixo

(  ) Pipoca

 Acompanhamento = Alimentos para o Crescimento

( ) Iogurte *colocar o iogurte no congelador um dia antes, se na escola não tiver geladeira

(  ) Patê de Frango desfiado com requeijão light

(  ) Pasta de Amendoim s/ açúcar

(  ) Queijo Branco

Bebida ou Frutas = Vitaminas e Minerais *Acondicionar bem o suco natural, de preferência uma garrafa térmica.

(  ) Água de coco

(  ) Suco de Uva integral

(  ) Suco de Maçã, Banana e Mamão

(  ) Suco de Laranja e Morango

(  ) 1 unidade de Fruta ou Frutas picadas – 1 xícara *para não escurecer as frutas adicione suco de laranja ou gotinhas de limão.

A quantidade a serem definidas dos alimentos irá depender da idade e da fase da criança e deve ser estipulada por nutricionista.

Muffins Saudáveis de Chocolate

Ingredientes

1/2 xícara de açúcar de coco

1/2 xícara de óleo de coco,

1/2 xícara de raspas de chocolate 70% de cacau

2 colheres de copa de cacau em pó

1 xícara de farinha de castanha de caju ou farinha de amêndoas

1/2 colher de sopa de bicarbonato de sódio

2 ovos batidos

1 xícara de abobrinha ralada

1 colher de sopa de baunilha

 

Modo de Preparo:

 

Preaquecer o fogão a 180ºC. Em uma panela pequena, derreta o chocolate e o óleo de coco. Rale as abobrinhas e esprema bem o líquido com a ajuda de um pano de prato. Em uma tigela, misture o cacau em pó, o açúcar de coco, a farinha, o bicarbonato de sódio, os ovos, a baunilha e a abobrinha. Mexa até que se forme uma massa homogênea. Distribua em formas de muffins e leve ao forno por 20 minutos.

 

Mariana Andrade

CRN9/ 5237

Nutricionista Funcional

Instagram: @nutrimariana

Site: https://nutricaofuncionalb.wixsite.com/nutrimariana

Clínica Médica Maison Blanc – Buritis

Tel:(31)3309-2007

 

5 dicas para ajudar seus filhos em situações de bullying

 

O tema já foi abordado aqui no blog anteriormente no post “Mais uma conversa sobre BULLYING”, mas desta vez decidi voltar ao assunto após uma nova visão abordada em um blog chamado “MOMTRENDS”.

O artigo passa 5 estratégias para empoderar e mostrar a criança que ela pode tentar mudar o curso da situação de bullying do qual esta sendo vítima, através da linguagem corporal.

Esta abordagem é uma forma diferente de tentar lidar com a situação sem deixar de lado e nem tentando substituir toda orientação padrão que costumamos a passar para os filhos.

Fiz uma versão livre para o português das dicas da especialista em linguagem corporal Yana German:

  1. Postura: uma das dicas mais importantes é manter uma postura aberta. “Os pais devem sempre encorajar seus filhos a manterem sempre a cabeça erguida e o queixo para cima” diz Yana. “Ter uma boa postura aumentará instantaneamente sua confiança. Manter os ombros para trás e abrir o peito é uma dica rápida que opera maravilhas. Além de dar a impressão à própria criança de que é maior do que realmente é, esta postura irá aumentar a sua confiança pessoal” explica German.
  2. Contato Visual: Quando uma criança esta conversando com outra, ela deve sempre manter o contato visual. Manter um bom contato visual faz transparecer sua confiança de um modo não verbal. Esta estratégia pode ser facilmente praticada nas refeições à mesa, enquanto conversamos sobre acontecimentos do dia ou durante o momento de colocar as crianças para dormir.
  3. Sorriso: A criança que faz o bullying costuma atacar a vitima através de sua baixa auto-estima e também aquelas crianças que se mostram mais tímidas e vulneráveis.  “O sorriso serve como uma barreira contra toda negatividade, e a criança que pratica o bullying raramente terá como alvo uma vítima que se mostra feliz, sorridente, calma e irradiando boas energias” completa German.
  4. Seja maior do que a vida: usar o corpo para ocupar todo espaço físico ao seu redor o quanto for capaz. Balançar os braços, abrir os quadris, ampliar a postura. Ocupar mais espaço físico do que o habitual faz você se sentir mais poderoso e aumenta a confiança.
  5. Braços para baixo: Cruzar os braços é um grande sinal de que você esta na defensiva. Para parecer receptivo, aberto a novas amizades e pronto para se juntar a um grupo, lembre seu filho de manter sempre os braços ao lado do corpo, sem cruza-los (manter os braços dentro dos bolsos pode ser uma alternativa). Esta atitude passa a mensagem que o coração esta aberto e receptivo.

Conversar com os filhos com naturalidade e sem tabus pode fazer uma grande diferença!

Prevenindo a obesidade infantil; por Dra. Stephania Medina de Andrade Sócio

 

O peso das crianças é uma preocupação constante das famílias e dos pediatras.

Até alguns anos atrás, a maior preocupação era com a desnutrição. Atualmente, a obesidade é considerada uma doença crônica e epidêmica e estudos apontam que a incidência cresceu 60 % em 10 anos.

A obesidade é uma doença que acomete diversos sistemas do corpo e tem relação com doenças como diabetes, hipertensão, doenças articulares e cardiovasculares, câncer entre outras. Estudos apontam que a maioria dos adolescentes obesos serão adultos obesos.

Diante disso, a vigilância e a mudança de hábitos são fundamentais para mudarmos o curso das estatísticas para que nossas crianças sejam adultos saudáveis e com longevidade.

A grande mudança nos hábitos vem com boas escolhas e escolhas conscientes quanto ao que consumimos. A vida atribulada, a grande oferta de alimentos “práticos” nas prateleiras dos supermercados, as porções gigantescas dos fast food podem ser consideradas combinações explosivas.

Para ajudar nessas escolhas vou primeiro esclarecer uma dúvida muito frequente. Você já ouviu várias vezes esse termo ultraprocessado, mas você o reconhece no supermercado?

Então vou te dar uns exemplos e você vai exercitar na próxima ida às compras. Primeiro identificamos os alimentos in natura, que é todo aquele alimento que não sofreu qualquer mudança, pode ser encontrado na natureza (abacaxi). O alimento minimamente processado é aquele que sofreu pouca alteração até sua aquisição foi cortado, descascado, moído, etc (abacaxi descascado e embalado). O alimento processado é aquele que sofreu adição de sal e açúcar no processo (abacaxi em caldas). O alimento ultraprocessado é aquele cuja fabricação envolve diversas etapas e técnicas de processamento e vários ingredientes, muitos deles de uso exclusivamente industrial (suco de abacaxi em pó).

Algumas sugestões:

  • Os alimentos açucarados como os refrigerantes e os sucos de caixinha são uma cilada. Evite sempre que puder pois têm muito açúcar e conservantes. Opção: água, chá, sucos feitos com frutas (ex: morango, abacaxi, manga podem ser guardas congeladas e batidos na hora), água de coco (do próprio coco).
  • Os ultraprocessados são aqueles vilões capazes de nos enganar e nos fazer acreditar que estamos comendo bem. Evite !!! Com um pouco de organização podemos ter alimentos de ótima qualidade frescos na nossa mesa. As técnicas de congelamento são aliados nessa hora. Seguindo a máxima de quem guarda tem, a cada preparo podemos deixar porções congeladas para outro dia, legumes e verduras já cozidos e cortadinhos separados em saquinhos. Tudo congelado e em 10 minutos uma refeição fresquinha estará na sua mesa.
  • Informação: a leitura de rótulos nos permite identificar ingredientes que mais parecem retirados de uma aula de química do que da feira. Evite !!!
  • Divisão de tarefas: a divisão de tarefas faz com que todos da casa participem dos processos. As crianças podem colocar a mesa, lavas uns legumes e verduras. O maridão pode lavar a louça, enfim, moderno é isso, né?!
  • Vigilância : a vigilância do peso é feita com as consultas com seu pediatra e sempre lembrar que ele deve marcar nos gráficos de crescimento, altura e IMC (índice de massa corporal). Esses gráficos estão na caderneta de vacinação da criança e também pode ser encontrado no site da Organização mundial de saúde (OMS). O seu pediatra é capaz de identificar alterações no padrão de ganho de peso e crescimento e dar as orientações necessárias.
  • Atividade física: as crianças precisam se mexer. Correr, nadar, andar de bicicleta, sair das telas. O tempo preconizado pelas sociedades de pediatria é o máximo de 2 horas de tempo de tela por dia. A atividade física ajuda as crianças a terem menos ansiedade, fortalecerem, melhorar coordenação e gastar energia.

A mudança vem com um olhar para traz, isso, olhar para os nossos avós e voltarmos para a cozinha, para o prazer de sentarmos à mesa em família, sem celulares ou televisões.

Simplesmente conversar e curtir aquele momento. As crianças curtem muito essas experiências culinárias.

 

Dra. Stephania Medina de Andrade Sócio . Mãe de duas crianças gulosas, muito ativas e curiosas, com quem aprende todos os dias. Médica formada pela UFRJ, pediatra especialista em gastroenterologia pediátrica pela Unicamp e mestre pela UFMG.

 

Organizando a rotina: dicas de uma dona de casa com duas filhas

 

Quando tinha somente minha primeira filha, trabalhava como secretária executiva em empresa de engenharia. A profissão de meu marido exige que ele esteja sempre fora de casa e nesta época eu ainda tinha uma ajudante de segunda a sexta, mas nunca tive babá.

Assim que minha segunda filha nasceu, decidi parar de trabalhar fora e comecei a passar por vários apertos, as vezes por falta de tempo e outras vezes consequência da falta de experiência doméstica e organização do tempo.

Como estava em casa para poder acompanhar as meninas de perto, sem intenção de voltar a trabalhar fora, optei por manter minha ajudante somente dois dias da semana, e não mais diariamente.

Surgiu assim a necessidade de criar uma rotina mais organizada.

Conversando com uma amiga, ela perguntou como eu consigo ficar sem um pessoa me auxiliando em casa diariamente, cozinhando, treinando e mantendo a casa em ordem sem ficar louca! Mesmo sabendo que não é tão perfeito e certo como ela pensa ser, acho que posso dar umas algumas dicas que já foram testadas por nossa família e continuamos mantendo em nossa rotina:

  • Tenha uma agenda para os compromissos: agenda tradicional, computador, ou até mesmo lembretes sobre uma parede visível. Costumo a fixar na minha geladeira pois estou sempre mexendo nela. Ali, anote todos os compromissos, consultas ao médico, aniversários importantes.
  • Fazer um cronograma com atividades domésticas: como não tenho ajudante diariamente, me programo para limpar a casa e roupas durante o tempo em que as meninas estão na aula. Normalmente chegando do treino já começo a fazer tudo: colocar roupas para lavar  e começo a cozinhar algumas coisas para o almoço. Revezando os dias durante a semana. Assim a casa esta sempre limpa e nada fica acumulado.
  • Deixar as mochilas, sempre prontas no dia anterior: minhas filhas estudam de manhã e assim que terminam a tarefa, organizam o material do dia seguinte. Preparo o lanche, uniforme e deixo tudo sempre no mesmo lugar, assim não existe correria antes de sair para a escola, nem tenho que ficar procurando nada. Acordo, preparo o meu café e a vitamina de abacate com banana das meninas, acordo as duas com beijinhos e já entrego o uniforme na mão. Elas já colocam o uniforme, tomam a vitamina, escovam cabelos e dentes, e em menos de 20 minutos estão prontas para ir a escola.
  • Passar responsabilidades e tarefas domésticas para os filhos: cada um deve arrumar sua cama, guardar suas roupas e brinquedos no armário, levar o pratos e copo depois de acabar de comer. Assim educamos para o mundo e não ficamos sobrecarregadas.
  • Planeje o que a família vai comer durante a  semana: em vez de perder tempo e paciência todos os dias, no meu caso que ainda tenho que cozinhar, tento organizar um cardápio semanal e faço compras de produtos perecíveis de acordo com a necessidade. Muitas vezes deixo algumas refeições engatilhadas e semi prontas para o dia seguinte, com o preparo de véspera.
  • Programe suas contas para débito automático ou anote na agenda o vencimento um dia antes da data máxima, se necessário programe um despertador com lembrete no dia. Cabe também aqui, colocar junto aos lembretes na agenda, geladeira, porta de armário.
  • Divida com o marido a tarefa de levar os filhos à escola, as atividade, até mesmo o supermercado.
  • Criar horários para a rotina e respeitá-los: sempre fui rígida com horários em casa por um simples motivo, sei que na prática isso dá segurança para as crianças e nos ajuda a cuidar das tarefas de forma bem mais fácil. Temos horário para acordar, almoçar, fazer tarefa escolar, desligar tecnologia, e dormir. Isso dá uma certa tranquilidade para encarar o dia a dia.