Egoísta eu?!

Assim que me tornei mãe pela primeira vez, acredito que como outras muitas mulheres comecei a viver uma fase em que a prioridade era cuidar da minha filha, da casa, do marido e de certa forma eu não conseguia mais cuidar de mim mesma.

Me sentia exausta e sem energia. Eu sabia que algo precisava mudar, e aconteceu … Aprendi a ser egoísta. E aprendi que era o melhor presente que eu poderia ter dado a mim mesma e à minha família também.

Definitivamente a palavra “egoísta” remete a um sentimento negativo, a moralidade exige que sejamos altruístas, mas gostaria de apresentar a palavra no sentido de “cuidar de si mesma”. Arrisco dizer que o egoísmo é saudável quando não esquecemos os nossos deveres e não ultrapassamos o direitos dos outros.

Nós mães e mulheres  somos educadas desde pequenas a cuidar do próximo, o que é natural e muito incentivado, aprendemos a cuidar e servir a todos menos a nós mesmas. Muitas vezes sacrificamos nossa saúde, boa forma, nutrição e serenidade para atender as necessidades e desejos de nossos filhos, marido e família.

Como ser feliz, forte e saudável para quem você ama se não se cuidar? Você só vai conseguir, se for um pouco egoísta todos os dias reservando um tempo para olhar para si mesma e escutar seus anseios e respeitar seus limites.

Quando deixamos de cuidar de nós mesmos, perdemos a força, nos sentimos esgotadas e com baixa auto estima, além de mostrar aos nossos filhos que as nossas necessidades  não são importantes como as deles.

Como queremos reconhecimento e amor se nós mesmas não nos amamos o suficiente?

Tudo isso que hoje escrevo aqui não veio de forma simples e natural em minha vida. Como já relatei em outros posts, tenho aprendido com o tempo a me amar de verdade, de forma lenta e madura. Ainda sinto dificuldade em dosar e saber até onde devo respeitar minha vontade e o quanto devo ceder para conseguir equilíbrio. Mas o fato é que viver este “egoísmo” que nada mais é do que cuidar de mim mesma, tem me feito uma mãe e esposa melhor.

Alguns exemplos de hábitos que inseri em minha vida:

  • Alimentar bem e adaptar a minha dieta saudável para a família. Eu cozinho e compro aqueles alimentos que considero saudáveis. Minhas filhas comem aquilo que eu ponho na mesa, e não o contrário.
  • Tenho meu horário de programação na TV. Acompanho jornais e séries, durante estes horários as meninas podem ler, desenhar, jogar um pouco no tablet.
  • Treino pela manhã, assim que deixo as meninas na escola. Meu exercício é sagrado!
  • Dividir tarefas domésticas com o marido, mesmo sendo dona de casa, me dou o direito de sentir cansaço e pedir ajuda em tarefas de casa e com as meninas (sem culpa).
  • Falo abertamente sobre meus sentimentos com a família. Quando estou cansada, sobrecarregada ou chateada, exponho o que sinto e peço a colaboração de todos, assim como faço com eles.

Hoje reconheço minha força interior e cuido da melhor forma que posso de minha família, mas deixei de lado a posição de “super heroína” pois este papel já aprendi que não me faz bem!

Anúncios

6 Comments

  1. Nossa, Carol, que coisa boa saber que a maternidade e a maturidade tem te presenteado com uma nova forma de enxergar a vida, de forma mais leve, com menos cobranças e com mais tempo para pensar em você. Esse egoísmo a que se refere não é um pecado, mas sim um cuidado, um presente para sua vida, que está fazendo bem não apenas para você, mas com certeza para toda sua família. Obrigada por compartilhar conosco essas suas experiências que nos enchem de motivação. Amei!

    Curtir

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: