Pular para o conteúdo
Anúncios

O que ensinamos aos nossos filhos quando gritamos?

Resolvi escrever sobre este assunto não porque sou uma mãe perfeita, daquelas mulheres serenas que nunca se alteram e levantam o tom de voz. Detesto gritar com as meninas, mas uma vez ou outra, com muito pesar confesso, que isso acontece aqui em casa. Mas tenho uma meta interna de lutar comigo até chegar ao ponto de não fazer mais.

Já sabemos que as pesquisas dizem que dar palmadas nos filhos pode provocar neles comportamentos agressivos. Só que, em “substituição” destas palmadas, muitas vezes ao sair do sério nosso primeiro recurso é gritar com os filhos.

A pior forma de gritos são aqueles que envolvem insultos e xingamentos. Existe até uma pesquisa que mostra que esse tipo de gritaria é mais prejudicial do que as próprias palmadas.

Quando estes gritos acontecem muito raramente, em uma situação extrema, ok, pedimos perdão e seguimos em frente, mas se o grito é o caminho para tentar educar em nossa casa ou a maneira de fazer com que nossos filhos nos escutem, estamos indo muito mal.

Muitas vezes o que irão  aprendem é que você pode gritar para deixar alguém mais frágil e somente assim ele irá conseguir a atenção de alguém. Nossos filhos aprendem que podem tratar aqueles que são menores ou mais fracos desta forma, intimidando, aos gritos porque assim será escutado.

E não devemos nos surpreender se virmos nosso filho gritando com o irmão, colegas e amigos pois ele aprendeu isso em casa.

Nos incomoda muito quando alguém grita com a gente porque parece desrespeitoso, grosseiro e agressivo, para nossos filhos também!

Com a diferença de que eles nos amam e nos idolatram, nos tem como exemplo e pensam que tudo o que fazemos é ótimo, e deve ser repetido. Por isso a criança enxerga que se gritamos com eles é porque merecem ser tratados de forma rude.

É por isso que é tão importante pedir perdão, para que nossos filhos entendam que ninguém deve ser tratado desta forma, inclusive eles.

Toda vez que gritamos,  perdemos um pouco do respeito, da comunicação, aumentamos a distancia e o desconforto emocional. Além de causar segundo psicólogos um desastre na auto estima dos filhos.

E o que podemos fazer para tentar melhorar ou reverter este nosso comportamento? segundo a psicóloga Mireia Navarro Vera, devemos:

  • Adquirir um compromisso:
    será como um acordo familiar em que nos comprometemos a parar de gritar e falar com respeito. Vamos dizer aos nossos filhos que estamos aprendendo a fazê-lo e que eles terão que nos ajudar, que provavelmente cometeremos erros, mas que, se tiverem paciência, faremos o melhor a cada momento.
  • Nosso trabalho como pais é controlar nossas emoções:
    com o manejo de nossas emoções, ensinamo-los a controlar as deles. Se formos um bom exemplo, eles serão melhores. Portanto, devemos começar a trabalhar com nossas emoções, o que sentimos, o que transmitimos e como o controlamos. É um treinamento que requer tempo e esforço.
  • Lembre-se que as crianças devem agir como crianças:
    devem brincar, o esperado para a idade e nós somos os responsáveis por lembrá-los de suas obrigações todos os dias. É o nosso trabalho como pais. 
  • Pare de recolher lenha:
    quando você tem um dia ruim, qualquer faísca acenderá o fogo. Tire um momento, faça algo que faça você se sentir melhor e pare de se reunir lenha para o fogo. Em algum momento você tem que parar.
  • Ofereça empatia quando seu filho expressar qualquer emoção:
    qualquer emoção, boa ou má, deve ser ouvida. Para mostrar empatia, devemos fazer nosso filho enxergar que entendemos como ele se sente. Dessa forma,  aprenderão a aceitar seus próprios sentimentos, que é o primeiro passo para aprender a lidar com eles. Depois que as crianças conseguem controlar suas emoções, elas também podem gerenciar seu comportamento.
  • Trate seu filho com respeito:
    quando as crianças são tratadas com respeito, elas sentem mais vontade de se comportar e tratar os outros com respeito. Você apenas tem que entender que seu filho merece seu respeito mais do que qualquer outra pessoa.
  • Quando você ficar com raiva, pare:
    não faça nada nem tome decisões. Respire fundo. Se você já está gritando no meio da frase. Não continue até que esteja calmo. Falar, punir ou agir quando se está com raiva aumenta muito a probabilidade de tomar decisões erradas, gritar em vez de falar, usar punições exageradas e sem instrução e agir de forma desproporcional.
  • Respire e perceba seus sentimentos:
    quando você ficar com raiva de seu filho e sentir raiva e raiva, afaste-se da situação, se possível, e respire. Lave seu rosto e pense sobre o que está sob essa raiva que geralmente é medo, tristeza e decepção. Dê a si mesmo um espaço para sentir e chore se você sentir, então você verá como a raiva desaparece.
  • Encontre sua própria sabedoria:
    analise a situação objetivamente. Agora que você não sente mais raiva, será mais fácil. Pense no que você deseja alcançar e qual é a melhor maneira de fazer isso. Você quer que seu filho lhe obedeça, seja paciente e repita a norma quantas vezes for necessário, até mesmo o ajude fisicamente a fazê-lo, pegue-o pela mão e guie seus passos. Você quer que seu filho o respeite, ensine-o pelo exemplo. Você quer educar bem o seu filho, faça-o a partir do reconhecimento e do afeto não dos gritos e punições. Defina seus objetivos e também defina seus passos. Aprender requer tempo e paciência, seu filho não pode aprender tudo a princípio, ao contrário, é o contrário, você não aprenderá nada no início.
  • Adote medidas positivas, procure um lugar calmo.

Às vezes, basta respirar, sair um pouco de perto,  para que a raiva desapareça.

Administrando bem nossas emoções e sentimentos, ensinamos o mesmo aos nossos filhos e isso certamente nos tornará mães muito melhores.

Leia mais:

Gritar com crianças é tão ruim quanto bater nelas

Gritar com os filhos pode ser prejudicial

 

Anúncios

5 Comments »

  1. Amei o texto! Extremamente importante falarmos sobre isso. Eu me posicionar muito para elevar a voz o mínimo possível. Com três crianças em casa não é uma tarefa fácil. Mas sigo pedindo a Deus serenidade e sabedoria para lidar com todas as birras, rebeldias e travessuras das crianças. Parabéns pelo texto e temática! Bjs

    Curtido por 1 pessoa

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: