Enquanto seu filho não vem….

Aquele último mês de gestação parece nunca terminar, já passei por este momento por duas vezes em minha vida. Lembrando deste tempo em uma sala de espera com uma das minhas filhas esta semana, resolvi escrever sobre algumas coisas que hoje faria nesta época se pudesse voltar no tempo, coisas que deixei passar e que poderiam ter sido de grande valia.

  • Cuidar dos cabelos, e da aparência no geral . Dentista. Pinte suas unhas. Assim que nossos filhos nascem, renascemos de uma forma diferente, corte o cabelo, cuide da cor e tente ficar mais satisfeita com sua aparência antes de ir a maternidade.
  • Ler bons livros, coisa que fica muito difícil pelo menos no início do nascimento. Você vai querer usar todo seu tempo livre para descansar e tentar colocar o sono em dia.
  • Se tiver outro filho, passe momentos de muita qualidade com eles. Brinque converse e tentar explicar que após a chegada do irmão as coisas vão mudar! Sempre gostei de “jogar limpo” com as meninas, falar a verdade, não que isso evite a ansiedade, o  ciúme e o medo, mas ajuda muito, além de criar uma relação de confiança muito grande.
  • Faça seu marido se sentir especial. Curta cada pequeno momento ao lado dele, nem que seja lendo um livro enquanto ele assiste aquele programa sobre carros. Por mais difícil que seja pensar nisso, por estarmos sensíveis, ansiosas, cansadas, este momento antes do nascimento pode ser muito importante para você poder falar o quanto o ama, como a ajuda dele te faz bem e a companhia também.
  • Saia com suas amigas.
  • Ver boas séries e bons filmes. Acredite em mim, por alguns anos sua TV poderá passar somente animação e você não vai tentar lutar contra isso!
  • Organizar aquelas gavetas e coisas para doar, aqueles itens que vocêvai sempre deixando de lado.
  • Encher o Freezer com comidas saudáveis, sopas, legumes, hamburger vegetal.
  • Mandar lavar carpetes, cortinas e edredons.
  • Troque as baterias de sua maquina fotográfica.
  • Escolher e conhecer se possível, o pediatra
  • Invista em uma cadeira confortável para as noites e amamentação.
  • Arrume o assento de carro e deixe-o instalado
  • Arrumar a farmácia básica do bebe (consulte o pediatra) e a sua.
  • Deixe as contas programadas no débito automático ou pague antecipadamente.
  • Durma, descanse. Tente acordar no horário que seu corpo pedir.
  • Vá ao banheiro com calma de porta fechada, curta o silêncio!

 

Anúncios

25 filmes na Netflix para ver com a família

Um dos nossos programas preferidos de fim de tarde e dos fins de semana, é assistir um filme no conforto de nosso sofá. Separamos aqui alguns dos filmes que mais curtimos no Netflix, em família. Preparem a pipoca!

  • As Crônicas de Nárnia – O Leão, a Feiticeira e o Guarda-Roupa .
    Um dos maiores clássicos infanto juvenis, o filme conta a história de quatro irmãos que se transportam para o mundo encantado de Nárnia por meio de um guarda-roupa. Lá eles encontram seres fantásticos e o leão Aslan, os quais eles se juntam para combater a vilã Feiticeira Branca.
  • As Aventuras de Paddington. Resgatado de uma estação de trem, Paddington encontra refúgio na casa de uma família de Londres – até que uma taxidermista decide adicioná-lo à sua coleção!
  • Mr. Magoo . Por um golpe do acaso, um rubi valiosíssimo cai nas mãos do ricaço quase cego Mister Magoo. A polícia e ladrões estão atrás da pedra. Será que ele vai enxergar a solução?
  • Professor Peso Pesado. Quando cortes no orçamento ameaçam o programa de música da escola, um professor de biologia resolve voltar a lutar MMA nas horas vagas para ajudar a arrecadar dinheiro
  • Abracadabra. O filme mistura fantasia e comédia para mostrar um adolescente que libera três bruxas más que moravam em uma casa abandonada. Com a ajuda de um gato mágico, o jovem e seus amigos terão que roubar o livro de magia das feiticeiras para impedir que elas se tornem imortais.
  • Up: Altas Aventuras. Uma história doce e otimista sobre a amizade entre um idoso e uma criança. Além de divertido, o filme acerta ao ousar tocar nos temas do envelhecimento e morte,  assuntos com os quais as crianças, muitas vezes, têm pouco contato.
  • A Ilha da Imaginação. Ao perder o contato com o pai cientista que está desaparecido no mar, uma jovem busca a ajuda de sua escritora favorita.
  • A Bailarina. Victor e sua amiga Félicie poem em prática um plano maluco para fugir do orfanato e ir em busca de seus sonhos na Paris dos anos 1880.
  • Hugo Cabret. Um órfão de 12 anos decide morar em uma estação de trem de Paris, onde conhece uma garota que pode mudar o seu destino.
  • Por Mis Bigotes. Um menino de apenas nove anos se torna uma celebridade local ao acordar com um bigode enorme, o que desencadeia uma série de acontecimentos extraordinários
  • Jurassic World. Uma atração de arrepiar é a nova aposta dos donos do parque dos dinossauros. Mas a criatura gigantesca consegue escapar e espalha medo pela ilha. As crianças maiores vão amar essa aventura.
  • Toy Story é um clássico no mundo das animações. Os três filmes contam as aventuras do cowboy Woody e seus amigos com muita magia e diversão. Em Toy Story 1, Woody fica cheio de ciúmes quando o seu dono, o menino Andy, ganha de presente um novo boneco, o astronauta Buzz Lightyear.
  • Operação Big Hero. Um menino com talento para robótica tenta impedir um plano maligno de destruição de São Fransóquio com a ajuda de quatro amigos excêntricos e um robô.
  • Bob Esponja – Um Herói Fora D’água. A Fenda do Biquíni fica em pânico quando um pirata rouba a receita secreta do Siri Cascudo. Bob Esponja e seus amigos embarcam em uma missão para recuperá-la.
  • Monstros S.A. Mike e Sulley vivem na cidade dos monstros e trabalham numa empresa especializada em assustar crianças à noite. Um dia, uma pequena humana chamada Boo consegue passar para o outro lado e, a partir daí, muitas confusões começam a acontecer.
  • A Fuga das Galinhas. A Sra. Tweedy  é a dona de um galinheiro no interior da Inglaterra, onde a maior parte das aves vive uma vida curta e monótona, limitada a produzir ovos e terminar na panela. Mas quando Rocky , um galo vindo dos Estados Unidos surge voando por cima da cerca da Granja, as coisas começam a mudar
  • Férias do Mr. Bean. Numa tarde chuvosa em Inglaterra, Mr. Bean fica encantado ao descobrir que foi o feliz vencedor do Primeiro Prémio nas rifas da sua paróquia  que tem como prêmio, uma semana de férias no sul de França e uma câmara de vídeo, novinha em folha! Mas esta viagem rapidamente se transforma no caos absoluto, já que este semeia inadvertidamente a destruição onde quer que vá.
  • Shrek.Em um pântano distante vive Shrek, um ogro solitário que vê, sem mais nem menos, sua vida ser invadida por uma série de personagens de contos de fada, como três ratos cegos, um grande e malvado lobo e ainda três porcos que não têm um lugar onde morar. Todos eles foram expulsos de seus lares pelo maligno Lorde Farquaad .
  • Megamente. Megamente é o mais brilhante vilão que o mundo já conheceu. Só que também é o mais fracassado, visto que seus planos sempre são frustrados por Metro Man , o herói de Metro City. Após muitos anos de tentativas e fracassos, um dia ele consegue o inimaginável: matar Metro Man durante a execução de um de seus planos diabólicos.
  • Minions. Eles são os lacaios amarelos e inconfundíveis de “Meu Malvado Favorito”. Neste filme, veja a história de sua devoção por vilões desde o início.
  • Malévola. Nesta diferente versão do clássico conto da Bela Adormecida, o drama fantasioso conta a história pelo ponto de vista de Malévola a fada que lança o feitiço do sono na princesa. A protagonista da trama é ninguém menos que Angelina Jolie.
  • Detona Ralph.Vilão de um jogo de fliperama, Ralph sonha em ser o mocinho. Na tentativa de ser herói, ele liberta um perigoso inimigo que ameaça todos os jogos.
  • Cinderela. Após a trágica e inesperada morte do seu pai, Ella fica à mercê da sua terrível madrasta. A jovem ganha o apelido de Cinderela e é obrigada a trabalhar como empregada na sua própria casa. Passeando na floresta, ela se encanta por um corajoso estranho, sem desconfiar que ele é o príncipe do castelo. Cinderela recebe um convite para o grande baile e acredita que pode voltar a encontrar sua alma gêmea, mas seus planos vão por água abaixo quando a madrasta má rasga seu vestido. Agora, será preciso uma fada madrinha para mudar o seu destino.
  • Escola de Rock.Um músico em dificuldades consegue um emprego como professor substituto em uma escola privada, onde começa a ensinar rock’n’roll aos alunos em segredo.

 

Nutrição e Imunidade; por Giovana Zampieri

O inverno está chegando e junto com ele o aumento da frequência de gripes, resfriados, sinusites, tosse, dores de garganta e outras doenças que envolvem o sistema respiratório. E, mais do que em outras épocas do ano encontramos matérias e publicações nos chamando atenção para fortalecer nossa imunidade. São diversos fatores que influenciam negativamente o nosso sistema imune: estresse, sono de baixa qualidade ou privação de sono, alimentação pobre em nutrientes, excesso de atividade física sem correta recuperação, problemas na digestão e absorção de nutrientes e disbiose (desequilíbrio da flora intestinal).
A alimentação desempenha um papel determinante para melhora da imunidade, fornecendo energia e vários nutrientes para a formação de células e outras substâncias envolvidas no nosso sistema de defesa. Em contrapartida, alguns hábitos alimentares podem minar nossa capacidade de defesa, o abuso no consumo de produtos industrializados, ricos em açúcar, aditivos químicos (como corantes e aromatizantes) e gorduras ruins (trans e saturadas) propiciam processos inflamatórios e deprimem a resposta imune. Consumir açúcar em excesso pode causar uma queda na capacidade do nosso organismo de destruir vírus e bactérias. O álcool e o fumo também causam prejuízos por estimularem a produção de radicais livres e estarem associados ao surgimento de diversas doenças crônicas. Dietas extremamente restritas em calorias também podem influenciar uma queda na imunidade.
A boa notícia é que nosso organismo responde muito bem quando investimos em uma alimentação saudável. No que diz respeito a imunidade, muito pode ser feito através da alimentação. Segue agora algumas dicas de alimentos para dar um “up” no seu sistema de defesa.

Vegetais folhosos de coloração verde escura
Alimentos como a couve, o agrião e o brócolis, são ricos em antioxidantes, substâncias capazes de combater a ação de radicais livres (agentes que causam danos às células e facilitam o surgimento de doenças). Além disso, possuem alta concentração de ácido fólico, uma vitamina essencial para a formação dos linfócitos (células de defesa). O agrião, por exemplo, possui propriedades expectorante, adstringente, descongestionante, digestiva, fortificante, tônica, depurativa, cicatrizante, antitérmica e anti-inflamatória. Consuma esses vegetais ao menos 3x por semana, em saladas, sucos ou em recheios de panquecas.

Frutas e legumes amarelo-alaranjados
Boas fontes de vitamina C, como a laranja por exemplo. Esses alimentos estimulam a produção de glóbulos brancos, fundamentais para a resposta imunológica, e desta forma aumentam a resistência a infecções, especialmente respiratórias. Alimentos como o abacaxi, a acerola, a manga, o mamão o pimentão e a cenoura também são ricos em betacaroteno, um pigmento que confere a esses vegetais, além da coloração característica, importantes propriedades antioxidantes. Este carotenoide também é conhecido por ser precursor da vitamina A. Esta vitamina modula a resposta de células fagocitárias, estimulando a fagocitose (que ajuda a matar vírus, bactérias, invasores, etc.).

Alimentos de coloração roxo-avermelhada
Os morangos, amoras, uvas, beterrabas e tomates são ricos em flavonoides, em especial a antocianina. Esses compostos fitoquímicos reduzem a ação dos radicais livres, combatem o envelhecimento precoce das células e melhoram a função imune por aperfeiçoarem a resposta dos anticorpos.

Geleia Real
A secreção, produzida pelo organismo da abelha, é rica em proteínas, vitaminas do complexo B, minerais antioxidantes e gorduras boas. Devido a sua composição tem ação anti-inflamatória, auxilia na redução do cansaço físico e mental e fortalece o sistema imunológico. Pode ser encontrada em cápsulas ou in natura. OBS: Deve ser utilizada somente após 2 anos de idade e algumas pessoas podem apresentar reações alérgicas.

Própolis
Rico em flavonóides de ação antioxidante, auxilia no combate às doenças, atuando também como um “antibiótico natural” em casos de inflamação e infecção.

Ômega 3
Potencializa o combate aos radicais livres e propicia maior ação anti-inflamatória. Este ácido graxo pode ser encontrado em peixes de águas profundas como o salmão, o atum e a sardinha, além de estar presente em alguns óleos vegetais.

Fibras prebióticas
A presença da microbiota intestinal saudável é necessária para alcançar a boa função imune, incluindo a produção de anticorpos e a manutenção da saúde da mucosa intestinal, reduzindo o risco de contrair infecções. Por isso, garantir alimento às bactérias boas de nosso intestino é de grande valia para nossa imunidade. Manter uma alimentação rica em verduras, legumes e frutas (tudo bem lavado), incluir farinhas funcionais como a farinha de banana verde, de maracujá e de aveia, acrescentar biomassa de banana verde às preparações, são maneiras de contribuir para o bom funcionamento intestinal e melhora na imunidade.

A tão comentada vitamina D
Você já fez um exame pra avaliar o status da vitamina D em seu corpo? Ela é um potente modulador do sistema imune. Tem sido demonstrada uma relação entre a deficiência de vitamina D e a prevalência de algumas doenças autoimunes, como diabetes melitos insulino-dependente (DMID), esclerose múltipla (EM), artrite reumatóide (AR), lúpus eritematoso sistêmico (LES) e doença inflamatória intestinal (DII). Sugere-se que a vitamina D e seus análogos não só previnam o desenvolvimento de doenças autoimunes como também poderiam ser utilizados no seu tratamento. As principais fontes alimentares são os carnes, peixes e frutos do mar, como salmão, sardinha e mariscos, e alimentos como ovo, leite, queijos e cogumelos. Além dos alimentos, a principal fonte desta vitamina é a sua produção na pele a partir da exposição dos raios do sol, sendo importante tomar banho de sol diariamente, durante cerca de 15 minutos.
Vale ressaltar que teriam ainda muitos outros nutrientes que poderiam ser discutidos e apresentados nesta matéria, o complexo B, a vitamina E… De forma que não é possível esgotar o assunto de forma tão rápida. Mas se eu tivesse que escolher uma única dica nutricional para colaborar com o bom funcionamento do sistema imunológico eu diria o seguinte: invista num prato colorido. Isso porque nosso sistema de defesa depende de diversos nutrientes que ajudarão no bom funcionamento das células protetoras e é essa diversidade que vai garantir o aporte dos principais nutrientes envolvidos.

Giovana Zampieri Rojas Gonçalves
Nutricionista clínica e esportiva funcional – CRN 17778

Algumas dicas para melhorar a imunidade de seus filhos

 

Inverno chegando e junto com ele toda variedade sem fim de germes e vírus  e a preocupação do que podemos fazer para proteger nossos filhos de tudo isso que estão expostos todos os dias.

Infelizmente, ficar doente quando somos crianças é impossível de evitar. “Todos nós entramos neste mundo com um sistema imunológico inexperiente”, diz Charles Shubin, MD, professor associado de pediatria da Universidade de Maryland, em Baltimore. Lentamente, as crianças preparam sua imunidade combatendo uma série contínua de germes, vírus e outros organismos  e é por isso que muitos pediatras consideram de seis a oito resfriados, surtos de gripe ou infecções de ouvido por ano, normais.

Mas existem hábitos saudáveis ​​que podemos adotar que poderão dar uma ajuda ao sistema imunológico dos nossos filhos. Então, aqui estão algumas dicas para ajudar o sistema imunológico das crianças, seguindo algumas dicas de estudo sobre o mesmo tema:

  • Aumente o tempo de sono.

Já foi comprovado que a privação de sono pode tornar as crianças mais suscetíveis a doenças, reduzindo suas células de defesa naturais, que ajudam o sistema imunológico a combater a infecção. A quantidade de sono que as crianças precisam depende muito da idade. Como regra geral, os recém-nascidos precisam de 18 horas por dia,  e crianças de três a doze anos, até 12 horas por dia.

  • Comida de Verdade.

Laranja, limão, brócolis, tomate, cenoura, couve, uva,abacate, morangos (só se forem orgânicos), maçã: Todos esses alimentos contem fitonutrientes como a vitamina C e carotenóides que podem aumentar a produção de glóbulos brancos que combatem a infecção e aumentam a imunidade.  Estudos mostram que uma dieta rica em fitonutrientes também pode proteger contra doenças crônicas como câncer e doenças cardíacas na vida adulta.

Tente fazer com que seu filho coma cinco porções de frutas e verduras por dia. Uma dieta saudável deve conter uma grande variedade de alimentos e não se concentrar em apenas um “superalimento mágico” . Portanto, certifique-se de oferecer aos seus filhos uma variedade de cereais integrais, carne, peixe, legumes, além das frutas e legumes mencionados acima.  Não há alimentos específicos que impeçam seus filhos de resfriados ou gripes, mas você deve garantir que a dieta de seu filho seja rica e saudável, o que é essencial para desenvolver um sistema imunológico forte.

  •  Amamentar seu bebê.

O leite materno contém anticorpos que aumentam a imunidade e células brancas do sangue. Estudos mostram que também pode aumentar o poder do cérebro do bebê e ajudar a protegê-lo contra o diabetes insulino-dependente, a doença de Crohn, a colite e certas formas de câncer. O colostro, é especialmente rico em anticorpos que combatem doenças.

  • Atividade Física

Pesquisas mostram que o exercício aumenta o número de células de defesa em adultos e a atividade regular pode beneficiar crianças da mesma maneira. Para que seus filhos tenham naturalmente o hábito de exercitar ao longo da vida, seja um bom modelo. “Exercite-se com eles em vez de apenas incentivá-los a sair e brincar”, diz Renee Stucky, Ph.D., professora assistente clínica de medicina física e reabilitação da Universidade de Missouri Medical School.  A prática regular de exercícios propicia também o desenvolvimento da musculatura e esqueleto da criança. Sem contar que ajudam a controlar o peso e a reduzir o colesterol. Mas é preciso que o seu filho sinta prazer na atividade escolhida, e que seja feita de forma moderada. O bom senso é sempre a melhor medida.

  • Não pressione seu pediatra.

Incentivar seu pediatra a prescrever um antibiótico sempre que seu filho tiver resfriado, gripe ou dor de garganta é uma má ideia. Estudos mostram, no entanto, que muitos pediatras prescrevem antibióticos de forma um tanto relutante ao pedido de pais que erroneamente acham que a criança não pode sentir dor. Na verdade, pode. Cepas de bactérias resistentes a antibióticos têm florescido como resultado, e uma simples infecção no ouvido é mais difícil de curar se for causada por bactérias teimosas que não respondem ao tratamento padrão. Sempre que o pediatra do seu filho quiser prescrever um antibiótico, certifique-se de que ele não o esteja prescrevendo apenas porque pensa que o quer.

  • Tome um pouco de sol.

A luz solar ativa a produção de vitamina D da pele. No verão, uma exposição de 10 a 15 minutos (sem protetor solar) é suficiente. Níveis baixos de vitamina D correlacionam-se com um risco maior de infecção respiratória. Um estudo de 2010 em crianças mostrou que 1.200 UI por dia de suplementação de vitamina D reduziu o risco de influenza A.

Procure sempre o conselho direto de seu próprio médico em relação a qualquer dúvida que você possa ter em relação à sua própria saúde ou à saúde de seus filhos.

Síndrome do Imperador

 

Cada vez mais presenciamos e nos surpreendemos com comportamentos de algumas crianças diante dos professores, parentes e até dos próprios pais. Gritos, falta de respeito e outras atitudes que me levam a pensar que a autoridade esta mudando de lado. Crianças ditando o que os pais devem fazer, escolhendo onde devem ir nas férias, satisfazendo os anseios consumistas e tudo isso acontecendo feito se “fazer os luxos” dos pequenos fosse algo normal e bom para eles.

Recebi de amigos um vídeo no qual o psicoterapeuta Léo Fraiman abordou a criação dos filhos e a “síndrome do imperador” em uma entrevista no programa do Ronnie Von da TV Gazeta.

Ele explica que os pais de hoje em dia são narcisistas, pois querem fazer com que seus filhos sejam felizes a qualquer custo, tomando atitudes que privam os pequenos de terem frustrações. “Se uma criança não é treinada a esperar, a criar, a negociar, a ceder e a se frustrar, você está aleijando a criança”, salienta. Segundo o profissional, esses pais estão criando um tirano, uma pessoa que vai ser chata, birrenta, neurótica, depressiva e terá tendência a se envolver com drogas.

De acordo com a matéria do site “Exploring your Mind”as crianças com esta síndrome possuem alguns comportamentos em comum:

  • Traços de personalidade próprios do egocentrismo.
  • Baixa tolerância a frustrações.
  • Não sabem como controlar ou segurar seus sentimentos e emoções.
  • Não toleram ver suas demandas não cumpridas.
  • Conhecem as fraquezas dos outros.
  • São especialistas em manipular psicologicamente as pessoas.

Em outra matéria no site Psicorientação :

  • A criança não sente culpa pelo que faz aos outros, seu comportamento é desmedido e nada convencional para a idade.
  • É tirana e controla tudo o que vê pela frente; dá ordens e exige respeito, atua de forma impulsiva, não teme figuras de autoridades como professores, diretores da escola, pais, irmãos mais velhos.
  • Uma criança imperadora pode chegar a dar empurrões, bater, fazer ameaças, destruir o ambiente onde está por birra, faz agressão verbal, coage os pais, não demonstra solidariedade.
  • Quando frustrada torna-se violenta.
  • No cotidiano a criança não é capaz de servir o outro, é arrogante, soberba, não faz nada que lhe pedem e desrespeita ordens.
  • Na infância apresenta necessidade de chamar a atenção, quer ser o centro de tudo. É agitada, inquieta, grita quando é contrariada, é manipuladora, tem marcante desobediência, rebeldia e insubordinação.

Segundo especialistas este problema costuma apresentar relevância por volta dos 7 anos de idade,  começando inicialmente com pequenas desobediências, posteriormente vai aumentando até chegar à desconsideração geral. 

E quais seria as características dos pais destas crianças?

Pais hesitantes, que exercem uma educação passiva e relaxada, não estabelecem limites de referência para a conduta dos filhos, permitindo a réplica, cedendo à chantagem e sendo vítimas até de agressões verbais e físicas.

Chegando a adolescência, se tornam incapazes de conceber que alguma autoridade externa possa impor limites. Em casos graves, podem chegar a agredir seus pais e abusar de drogas e álcool.

Infelizmente a escola e a família estão perdendo a capacidade de educar. Nos sentimos desorientados, culpados, cheios de dúvidas a respeito de como devemos caminhar e orientar os nossos filhos.

Temos que voltar agarrar com pulsos firmes a nossa responsabilidade como figuras de autoridade e como pais. Temos que ensinar nossos filhos a aceitar as normas e entende-las se for preciso.

Temos também o dever de ensinar que existem coisas que são inegociáveis. O respeito aos pais é um delas. Temos que tentar ser menos materialistas, permissivos e hedonistas.

Para educar nossos filhos de forma responsável não podemos abrir mão dos limites e frustrações, para que possam entender que o mundo não gira em torno do seu ego.

Entendendo um pouquinho mais sobre a primeira infância

 

“Grande é a poesia
A bondade
e as danças.
Mas o melhor do mundo são as CRIANÇAS.”

 (Fernando Pessoa)

 

Provavelmente todos nós concordamos com Fernando Pessoa: as crianças, em qualquer lugar e a qualquer hora, conseguem surpreender com as suas palavras, atos, ações, sonhos e fantasias. Tudo aquilo que vivem na infância, as experiências sociais, afetivas, intelectuais, desportivas e artísticas que experimentam, as relações que estabelecem, determinam o adulto que serão no futuro, os valores, crenças e atitudes que a conduzirão ao longo da vida.
Para uma professora da Educação Infantil, mais especificamente do Maternal apaixonada, falar sobre o desenvolvimento da criança de 0 até 3 anos é descortinar este mundo mágico descrito por Fernando Pessoa. É refletir sobre a mudança constante de estruturas que se alternam a cada instante e de desafios que surgem entre o cansaço da repetição e a coragem de enfrentar/desafiar o novo.

Considerada como primeira infância os três primeiros anos de vida são os que, em boa parte, ajudarão a definir quem será o adulto no futuro. Com  as descobertas da neurociência, não mais se discute que o período que se estende do nascimento até os dois anos de idade é aquele no qual o desenvolvimento do cérebro,  vivência o seu ápice e forma metade dos trabalhos da inteligência humana.

De acordo com a teoria piagetiana, até os dois anos de idade, a criança vive o período sensório-motor em que a aquisição do conhecimento acontece por meio dos sentidos. A criança tem sensações e descobre o mundo através do deslocamento de seu corpo. A emoção é o principal canal de interação, por isso é muito importante que todas as experiências ofertadas sejam baseadas em situações de segurança, de vínculo e de afeto, ressaltando a importância do impacto das ações e emoções dos pais sobre a vida do filho e lembrando que as ações e emoções transmitidas para a criança falam muito mais do que palavras.

O filho imita os pais em tudo, capta a emoção deles do momento. Se os pais estão bem ou se estão estressados, o filho vai captar e reproduzir essas atitudes.

Nessa idade a criança começa a reconhecer cores e formas. Procura e encontra objetos que guardou. Prefere brinquedos que consiga empurrar, puxar, encaixar e explorar com os dedos. Adora descobrir como as coisas funcionam. Os pais podem achar que é descuidada, que estraga brinquedos, mas na verdade está tentando entender o funcionamento. Por isso, sucata e brinquedos de madeira, resistentes e de plástico (com os devidos cuidados com peças pequenas) são ideais para atender a essa curiosidade.

Dos dois aos três anos a coordenação fina está mais segura e é, geralmente, nessa época que a lateralidade (destra ou canhota) normalmente se define. Reconhece a imagem de seu próprio corpo diante do espelho, passa a fazer brincadeiras enquanto observa seu reflexo, aprende a reconhecer as características físicas e começa a construção de sua identidade.

É uma fase na qual a criança começa a descobrir o prazer em brincar com o outro. O egocentrismo (acredita que tudo o que acontece é em função dela) começa a dar lugar ao processo de socialização. Aceita a diversidade e a convivência numa sociedade multicultural. Por isso, o momento é propício para trazer uma educação livre de preconceitos, ensinando o respeito as diferenças.

A rotina e a previsibilidade dos acontecimentos, são parte do esforço da criança para compreender e controlar o seu mundo. Manter uma ordem de atividades a cada dia a ajuda saber o que está vindo em seguida, dando-lhe uma sensação de controle e segurança. Quando não há rotina/programação feita junto com a criança, é muito provável que o choro e a irritação apareçam de forma incontrolável.

A brincadeira de faz de conta torna-se seu melhor instrumento de aprendizagem, porque permite que simbolize o que sente e elabore seus conflitos, recriando experiências do seu dia a dia, representando o imaginário no mundo real, utilizando suas habilidades cognitivas e motoras. É nesta fase que as bonecas viram filhas, gostam das tintas, do barro, dos restos de papel e raspas de madeira, da areia, da água e da massa de modelar.

A linguagem ainda está em desenvolvimento e o vocabulário já é bastante extenso. Consegue comunicar-se com perfeição, por isso, a conversa, a música, a leitura e contação de histórias são fundamentais.

Na verdade, para uma professora da Educação Infantil, mais especificamente do Maternal apaixonada, cada etapa/idade é única e não volta mais.

É preciso curtir cada criança e aproveitar cada fase sem ansiedade, evitando esperar resultados que ela ainda não está madura para tal.

É importante que ofereçamos condições para que todas cresçam felizes e saudáveis física, emocional e cognitivamente!

 

Marita Fonseca Rodrigues Gastin é mãe, Pedagoga, pós graduada em Educação Infantil e Psicopedagogia Clínica e Institucional. Professora de Educação Infantil com 33 anos de experiência em sala de aula e apaixonada pela profissão, encantada por lecionar para a primeira infância onde acredita que uma base bem feita fará toda a diferença no futuro da criança.  

Terror noturno infantil; nossa experiência

 

Existe um assunto que é quase sempre citado nas rodas de conversas  e em grupos de mães que participo nas redes sociais: sono infantil, ou melhor dizendo “problemas” relacionados a noite de sono de nossos filhos.

Como todos sabem, tenho duas filhas e noites mal dormidas sempre fizeram parte de nossa rotina, hoje com as idades de 7 e 11 anos posso ainda contar nos dedos as noites as quais durmo sem nenhuma interrupção.

Mas decidi escrever hoje sobre um assunto em particular, que assombrou nossas noites durante vários meses até o diagnóstico correto e posterior tratamento com sucesso: terror noturno.

Uma noite, marido viajando,  acordo no meio da madrugada com a filha na época com 5 anos gritando muito e chorando, não falava frases claras, somente palavras soltas.  Depois de várias tentativas de acalma-la abraçando, sem nenhum sucesso, acabei acendendo as luzes e ela continuava de olhos abertos, chorando muito e nada que eu falava fazia ela parar. Quando tentava abraça-la, mais ela gritava e se debatia. Suando frio e apavorada, comecei a orar e pedir a Deus para acabar com aquilo. Após mais ou menos 10 minutos ela parou e quando eu questionei o que havia acontecido ela respondeu que não se lembrava de nada. Dormiu até a manhã seguinte e eu estava muito angustiada e sem entender tudo  aquilo para conseguir dormir.

Esses episódios ocorriam umas 4 vezes por semana, duravam cerca de 10 minutos e uma vez por noite, nunca repetiam. Meu marido também ficava muito atormentado quando presenciava os episódios.

Comecei a ler sobre pesadelos, sonambulismo e orar muito (apesar de acreditar em várias teorias de fundo espiritual eu queria buscar também explicações de fundo  científico ou psicológico para aquilo).

Sabia que em nossa família estávamos em uma fase tranquila, ou seja nada para justificar aquele comportamento, chequei também na escola se tudo estava bem, mesmo sabendo que durante o dia ela estava alegre e dentro da normalidade dela. Resolvi conversar com o pediatra que a conhecia desde bebê e ele na mesma hora bateu o martelo: sua filha está tendo episódios de terror noturno.

Explicou que ao tentar acalma-la abraçando eu só piorava a situação e o certo era aguardar ao lado, sem interagir para certificar que ela não se machucaria durante a crise. Pude verificar que realmente o tempo de duração dos gritos diminuía sem a minha interação.

Segundo reportagem do site Bebe Abril   a hipótese mais aceita é a de que o terror noturno tem a ver com o desenvolvimento do sistema nervoso central. É como se o cérebro ainda não estivesse suficientemente maduro para realizar a transição entre o sono e o despertar. Por isso, a criança fica em um “limbo” entre o dormir e o acordar. Em geral, pais que falam à noite ou são sonâmbulos têm filhos com terror noturno.

A psiquiatra Júnea Chiari  completa no site Oficina de Psicologia: “Embora não tenha uma causa definida, existe uma forte ligação genética e familiar, geralmente ocorrendo em vários membros da mesma família.

É bastante normal para uma criança ter terrores durante o sono e normalmente não necessita de nenhum tratamento médico, apenas orientação aos pais. Nas crianças, ele tende a ir embora por conta própria quando eles entram na adolescência. Os pais ou acompanhantes devem simplesmente vigiar de perto, sabendo que aquela crise irá passar e seu filho voltará a dormir tranquilamente. Raramente há riscos de lesões graves, mas pode haver um constrangimento quando essa criança ou adulto dorme fora de casa, podendo afetar muito suas relações com os outros.”

No nosso caso optamos por agir e não aguardar o tempo curar o mal, buscamos um tratamento apoiado na medicina antroposófica, ela tomava gotas pela manhã e a noite receitadas por uma pediatra da linha homeopática. Com cerca de 10 dias de tratamentos os episódios foram diminuindo de frequência, e com um mês de tratamento eles cessaram. Um alívio gigantesco para todos nós.

Leia mais:

http://www.pediatriaemfoco.com.br/posts.php?cod=80&cat=4

http://www.marisapsicologa.com.br/terror-noturno.html

https://brasil.babycenter.com/a3400227/terror-noturno