Exercícios Físicos e Ansiedade

Desde que me conheço por gente sou uma pessoa ansiosa. Agora mesmo estou sentada escrevendo e o texto e pensando que logo vou sair para buscar as meninas na escola e que já deveria colocar os ovos para cozinhar para o almoço. Mas acredite, já foi muito pior do que hoje! Antes de ter a rotina de exercícios que tenho hoje, tomava medicamentos para ansiedade e depressão e mesmo assim não me sentia muito equilibrada.

Os benefícios físicos e mentais dos exercícios já foram comprovados a muito tempo e os médicos incentivam que sempre estejamos físicamente ativos.Estudos mostram que a prática de exercícios é muito eficaz na redução da fadiga, melhora da concentração e aumento da função cognitiva no geral.

Quando o estresse afeta nossa mente, o resto do corpo também sente o impacto e se seu corpo esta bem e ativo a sua mente também sente!

Exercício e outras atividades físicas produzem endorfinas, substancias químicas que atuam no cérebro como analgésicos naturais e também melhoraram a qualidade do sono, o que por sua vez reduz o estresse.

Os cientistas descobriram que a prática regular de exercícios diminuem os níveis globais de tensão, estabilizam o humor, melhoraram o sono, e também a autoestima. Cerca de cinco minutos de exercícios aeróbicos já podem começar a estimular estes efeitos anti-ansiedade.

A ciência também forneceu algumas evidências de que as pessoas fisicamente ativas têm taxas mais baixas de ansiedade e depressão do que as pessoas sedentárias.

Uma sessão vigorosa do exercício pode ajudar a aliviar sintomas por horas, e uma programação regular pode significativamente reduzi-los por muito tempo.
Se você já possui uma rotina de exercícios, maravilha! Se não tem ainda, aqui estão as dicas para você começar.

  1. Defina pequenas metas diárias, reais e palpáveis. É melhor andar todos os dias por 15 minutos do que esperar até o fim de semana para uma maratona de algumas horas. Muitos dados científicos sugerem que a frequência é mais importante. Hoje por conta de alguns compromissos não pude treinar, ao chegar em meu prédio subi de escadas em vez de usar o elevador (moro no 17°andar).
  2. Caminhe, ande de bicicleta ou dance de três a cinco vezes por semana durante 30 minutos.
  3. Encontre formas de exercício que são divertidas ou agradáveis.
  4. Busque um companheiro de atividade, é mais fácil furar a sua rotina de exercícios quando você está sozinho.

Seja paciente quando você começa uma nova pratica esportiva, a maioria das pessoas sedentárias precisa em torno de quatro a oito semanas, segundo especialistas, para se sentir confortável e em forma para o novo exercício. Vamos colocar o corpo em movimento e ajudar nossa mente a encontrar equilíbrio!

Anúncios

Síndrome do Final de Ano?

Segunda feira de manhã chuvosa, preparei a vitamina das meninas e fui tomar o meu café da manhã escutando as Pílulas do Ricardo Melo, mais acelerada e ansiosa do que o normal. Comecei a pensar o motivo de minha inquietação e só consegui chegar a conclusão de que minha inquietação tem um nome: “DEZEMBRO”.

Fui levar minha filha a aula de teclado e comecei a reparar as pessoas na rua. Moça apressada falando ao celular, rapaz buzinando para o carro que  estava devagar a sua frente.

Stress de fim de ano? Uma Síndrome Coletiva?

Chegou dezembro com suas festas, algumas pessoas,  entram em um período de muita ansiedade e podem chegar a sentir angústia ao se sentirem obrigadas a serem felizes, presentear e confraternizar. Mil compromissos, mil compras e eventos por todo lado. Além das férias escolares e a cabeça a mil para pensar em atividades para não deixar as crianças o dia inteiro por conta da tecnologia.

Hoje consigo identificar os pontos que me causam maior ansiedade, no meu caso, sei que é muito mais por ter que sair de minha rotina, e sei que tudo acaba passando depois do dia de virada de ano.

Para minha surpresa decidi pesquisar sobre o assunto e esse turbilhão de emoções não é privilégio só meu.

São vários os sintomas da Síndrome do Final do Ano  segundo a psicóloga clinica Dra. Patrícia, em matéria para o site Mais Equilíbrio:

“- Alterações de humor ( irritabilidade acentuada podendo alternar com tristeza ou apatia)

– Crises de ansiedade

– Insônia ou sono excessivo

– Alterações na alimentação (perda de apetite ou episódios de compulsão alimentar)

– Fadiga constante

– Dores musculares constantes (contraturas musculares)

– Aumento do consumo de bebidas alcoólicas (não apenas pelos eventos sociais que são promovidos nesta época do ano, mas pela tentativa de minimizar o impacto do estresse que esta época proporciona)

– Diminuição da libido

– Perda do interesse pelas atividades rotineiras (dificuldade para cumprir com a rotina)

– Lapsos de memória, lentidão no exercício das atividades laborais

– Em alguns casos: comportamento hiperativo

– Aceleração e direção agressiva no trânsito e nas ruas”

Lendo mais sobre o assunto no site Psicósmica  a psicóloga Isabela de França completa:

“Com a chegada do final de ano somos tomados por um sentimento de urgência – terminar os projetos iniciados, fazer todas as pequenas coisas que deixamos de lado o ano todo e planejar o próximo ano – e esse sentimento já nos encontra desgastados pelo cansaço e estresse acumulados em um ano de trabalho. 

Nesse clima, é natural que as nossas percepções nem sempre sejam as mais acuradas, e assim, o que deixamos em evidência é o que não conseguimos concretizar, ou seja, a falta e o vazio dos projetos desprezados, não iniciados ou simplesmente que não deram certo.”

Então como explicar que algumas pessoas ficam tão felizes neste clima das festas e outras ficam ansiosas e angustiadas com o fim de ano? Talvez algumas pessoas simplesmente conseguem curtir os momentos sem se aprofundar em pensamentos.

O que tento fazer para diminuir esta sensação é agradecer pelo ano que está passando, mas não sou muito do tipo que faz  muitos planos para o ano que se inicia.

Que tal nos propormos uma coisa diferente então? deixar um pouco deste sentimento negativo de lado e se alguma coisa não deu certo neste ano, pensar que talvez não estivéssemos realmente prontos ou não precisávamos de verdade daquilo.

Se deixamos de realizar algum sonho ou plano por falta de vontade, preguiça ou medo, nascerá uma nova chance deste se concretizar!