Prevenindo a obesidade infantil; por Dra. Stephania Medina de Andrade Sócio

 

O peso das crianças é uma preocupação constante das famílias e dos pediatras.

Até alguns anos atrás, a maior preocupação era com a desnutrição. Atualmente, a obesidade é considerada uma doença crônica e epidêmica e estudos apontam que a incidência cresceu 60 % em 10 anos.

A obesidade é uma doença que acomete diversos sistemas do corpo e tem relação com doenças como diabetes, hipertensão, doenças articulares e cardiovasculares, câncer entre outras. Estudos apontam que a maioria dos adolescentes obesos serão adultos obesos.

Diante disso, a vigilância e a mudança de hábitos são fundamentais para mudarmos o curso das estatísticas para que nossas crianças sejam adultos saudáveis e com longevidade.

A grande mudança nos hábitos vem com boas escolhas e escolhas conscientes quanto ao que consumimos. A vida atribulada, a grande oferta de alimentos “práticos” nas prateleiras dos supermercados, as porções gigantescas dos fast food podem ser consideradas combinações explosivas.

Para ajudar nessas escolhas vou primeiro esclarecer uma dúvida muito frequente. Você já ouviu várias vezes esse termo ultraprocessado, mas você o reconhece no supermercado?

Então vou te dar uns exemplos e você vai exercitar na próxima ida às compras. Primeiro identificamos os alimentos in natura, que é todo aquele alimento que não sofreu qualquer mudança, pode ser encontrado na natureza (abacaxi). O alimento minimamente processado é aquele que sofreu pouca alteração até sua aquisição foi cortado, descascado, moído, etc (abacaxi descascado e embalado). O alimento processado é aquele que sofreu adição de sal e açúcar no processo (abacaxi em caldas). O alimento ultraprocessado é aquele cuja fabricação envolve diversas etapas e técnicas de processamento e vários ingredientes, muitos deles de uso exclusivamente industrial (suco de abacaxi em pó).

Algumas sugestões:

  • Os alimentos açucarados como os refrigerantes e os sucos de caixinha são uma cilada. Evite sempre que puder pois têm muito açúcar e conservantes. Opção: água, chá, sucos feitos com frutas (ex: morango, abacaxi, manga podem ser guardas congeladas e batidos na hora), água de coco (do próprio coco).
  • Os ultraprocessados são aqueles vilões capazes de nos enganar e nos fazer acreditar que estamos comendo bem. Evite !!! Com um pouco de organização podemos ter alimentos de ótima qualidade frescos na nossa mesa. As técnicas de congelamento são aliados nessa hora. Seguindo a máxima de quem guarda tem, a cada preparo podemos deixar porções congeladas para outro dia, legumes e verduras já cozidos e cortadinhos separados em saquinhos. Tudo congelado e em 10 minutos uma refeição fresquinha estará na sua mesa.
  • Informação: a leitura de rótulos nos permite identificar ingredientes que mais parecem retirados de uma aula de química do que da feira. Evite !!!
  • Divisão de tarefas: a divisão de tarefas faz com que todos da casa participem dos processos. As crianças podem colocar a mesa, lavas uns legumes e verduras. O maridão pode lavar a louça, enfim, moderno é isso, né?!
  • Vigilância : a vigilância do peso é feita com as consultas com seu pediatra e sempre lembrar que ele deve marcar nos gráficos de crescimento, altura e IMC (índice de massa corporal). Esses gráficos estão na caderneta de vacinação da criança e também pode ser encontrado no site da Organização mundial de saúde (OMS). O seu pediatra é capaz de identificar alterações no padrão de ganho de peso e crescimento e dar as orientações necessárias.
  • Atividade física: as crianças precisam se mexer. Correr, nadar, andar de bicicleta, sair das telas. O tempo preconizado pelas sociedades de pediatria é o máximo de 2 horas de tempo de tela por dia. A atividade física ajuda as crianças a terem menos ansiedade, fortalecerem, melhorar coordenação e gastar energia.

A mudança vem com um olhar para traz, isso, olhar para os nossos avós e voltarmos para a cozinha, para o prazer de sentarmos à mesa em família, sem celulares ou televisões.

Simplesmente conversar e curtir aquele momento. As crianças curtem muito essas experiências culinárias.

 

Dra. Stephania Medina de Andrade Sócio . Mãe de duas crianças gulosas, muito ativas e curiosas, com quem aprende todos os dias. Médica formada pela UFRJ, pediatra especialista em gastroenterologia pediátrica pela Unicamp e mestre pela UFMG.

 

Anúncios

Mudando seu estilo de vida de forma eficaz; por Felipe Brandão Bastos

Continuação do texto :Prepare sua mente para abandonar o sedentarismo; por Felipe Brandão Bastos

2 – Ajustar a rotina

Agora que você já entendeu, aceitou e já está espalhando para todo mundo, que para sair do sedentarismo e levar uma vida saudável, é necessário esforço, vamos começar a falar sobre a necessidade de deixar o comodismo de lado e planejar ajustes na rotina com a finalidade de levar uma vida mais saudável.

Em primeiro lugar, eu recomendo que você encare esses ajustes sob uma perspectiva positiva. A sua disposição mental diante disso, tanto pode minar as suas forças quanto servir de combustível, só depende da forma como você encara a situação.

Para conseguir​ enxergar isso de forma mais natural e positiva pense nas conquistas que você obteve em outros campos da vida, por exemplo:  tirar a sua carteira de motorista,  se formar,  ao comprar um veículo ou uma casa e até mesmo ao desenvolver e manter um relacionamento saudável.

Ao atingir a todos estes objetivos você invariavelmente precisou de dedicar algum tempo, energia e dinheiro, e em certos casos teve que aprender a lidar com frustrações e desânimo.

Para adotar e manter um estilo de vida ativo e saudável não é diferente, você também precisará dedicar tempo, energia e dinheiro para tal finalidade.

Se ultimamente você não tem se empenhado neste sentido, isso pode ser algo realmente incômodo.

Por isso aqui vão 3 conselhos que podem ajudar:

Seja realista

Ao longo da minha trajetória como praticante de exercícios físicos e posteriormente como profissional de Educação Física, me relacionei com várias pessoas que planejaram o abandono do sedentarismo e o início de uma vida ativa. Iniciaram com tudo, mas infelizmente não seguiram adiante.

Acabei percebendo que, em muitos casos, esse abandono precoce se dava em função de um início muito pretensioso, baseado na crença que daquele momento em diante, tudo seria favorável.

Para ilustrar:

Maria, que estava totalmente sedentária, encheu-se de vontade e disse: “Agora vai! Vou procurar uma academia e vou começar a me exercitar cinco a seis vezes na semana.”

E lá foi Maria. Ao visitar a academia, ela se encantou com a estrutura, com o número de professores, com a infinidade de aulas, com a precisão da avaliação​ física e teve certeza que “dessa vez não tinha como não dar certo”. Convencida de sua própria determinação, ela fecha logo um plano anual: “isso vai me fazer sentir obrigada a vir”.

Com o quadro de horários de aulas na mão, ela começa a planejar sua semana: aula tal na segunda, quarta e sexta, mais meia hora de exercício aeróbico, treino individual na terça e na quinta, depois mais uma outra aulinha aqui, e mais uma ali por aí vai. “Tudo lindo! Vai dar certo!”

Mas ela não leva em consideração a quantidade de compromissos que acaba de assumir consigo mesma e que, além de tudo, ela precisará conciliar esses novos compromissos com suas atividades diárias.

Então Maria começa na segunda, totalmente determinada! Faz um esforço, acorda cedo e vai treinar. Parte para o trabalho com sensação de dever cumprido. Conta para os amigos e a vida segue. Na terça feira ela acorda e mal consegue se mover, daí pensa: “Não tenho a menor condição, amanhã eu vou!”.

O fato de ter comprado um plano anual não fez a menor diferença nessa hora? Na quarta, as dores diminuíram um pouco, mas infelizmente teve um imprevisto e vai precisar chegar mais cedo no trabalho. “Poxa vida, Não vai dar, mas quinta eu vou!” e por fim, termina a semana com metade do objetivo realizado, ou nem isso.

Então, qual o problema na primeira semana? Talvez nenhum. Passamos de um zero de exercícios físicos para dois dias, e olha que não foi fácil.

Parabéns Maria!

Mas digamos que essa semana cheia de imprevistos se repita ao longo do mês. Então passamos de zero de exercícios físicos para oito ou talvez dez dias de treino. Muito bom também!

Mas pensando por outro lado. A intenção inicial era de 20 treinos não era? Então as aulas desmarcadas foram tão frequentes ou até mais frequentes do que as presenças. E o que isso tem a ver? Faz diferença?

A principal diferença que isso faz é no comportamento e nos hábitos desenvolvidos a médio e longo prazo.

Se Maria se comprometeu a treinar 20 vezes no mês e treinou apenas 8, ou 10, nos três próximos meses essa historia se repetindo, o que pode acontecer? Pode ser que, em consequência disso, ela desenvolva o hábito de não ter um compromisso firme consigo mesma, de sempre encontrar justificativas para desmarcar e de aceitar que: “É isso aí, vida fitness não é pra mim, já tentei mas não consigo. Deixa pra quem tem mais tempo que eu”. Como se a vida de todo mundo que treina fosse fácil!

Agora vamos imaginar uma situação diferente. Maria levou em conta sua rotina e planejou começar com dois dias de exercício físico na semana. Em algumas semanas ela até conseguiu fazer três vezes. Maria brilhou! Fez mais do que o esperado.

Em resultado disso ela se sente mais confiante, a sensação de dever cumprido do primeiro dia, se estendeu até o fim do primeiro, do segundo e do terceiro mês. Mais adaptada a isso, ela sente mudanças físicas positivas, os incômodos diminuíram ou ela aprendeu a lidar melhor com eles.

A sua disciplina, determinação, compromisso pessoal e autoconfiança aumentaram e talvez ela já esteja planejando uma frequência de exercícios maior. E a grande diferença é que o sucesso experimentado com uma rotina simples, mas realista já deixou Maria melhor preparada para um desafio maior.

A pessoa que planeja o início da prática de exercícios físicos, deve levar em conta que esse início gera cansaço, dor, talvez uma certa irritação, além de várias outras mudanças físicas, mentais e emocionais (que são características naturais de um estresse adaptativo a nova rotina). Isso, por si só, já é um desafio. Junte isso a problemas no trabalho, estudos, filhos, família e outros imprevistos e… “Caramba, como é que fulano dá conta?”

Então, o que eu quero te ajudar a perceber com essa história toda? Quando você estiver planejando seu início, não pense como a maioria pensa, querendo reverter em três meses os resultados de um longo período de descuido de sua saúde. Isso é loucura! Pense o contrário, pense na mudança da rotina como a construção de um hábito e entenda: não há problema nenhum se essa mudança for gradual. Afinal, todos nós vamos precisar sustentar esse hábito para o resto da vida. Então seja realista!

Continua em um próximo post.

Felipe Brandão Bastos, Bacharel em Educação Física. Professor de Ciclismo Indoor, Personal Trainer e treinador certificado de  CrossFit Level 1

Quer saber mais sobre vida saudável? Visite a Fitness Magazine Brasil

 

Prepare sua mente para abandonar o sedentarismo; por Felipe Brandão Bastos

Convidei o meu “Coach” Felipe Brandão Bastos para escrever para o blog pois admiro demais sua competência, conhecimento técnico e experiência em varias modalidades esportivas. Ele já presenciou muitos casos de pessoas sedentárias, que começam a prática esportiva e por vários motivos acabam abandonando.

Como estamos no fim de ano e com muitos planos para um novo ano que vai iniciar, achei que seria maravilhoso poder compartilhar esta experiência dele com vocês, para ajudar, de alguma forma a abandonar de forma definitiva o sedentarismo, assim como eu fiz!

“Atitudes que nos atrapalham a ter um estilo de vida fisicamente ativo e maneiras de lidar com estes comportamentos:

1 – Comodismo

O comodismo com certeza é um aspecto de comportamento que impede a muitos ter um estilo de vida fisicamente ativo. Por ser uma expressão muito utilizada, quase todo leitor já deve ter uma idéia sobre o que o comodismo significa.

Mesmo assim, para avançar na abordagem desse assunto, vamos definir o comodismo como: a característica predominante de quem evita o incômodo ou o esforço.

Talvez você esteja agora pensando naquela pessoa pouco atarefada, que passa horas do dia no mais puro ócio, não é verdade? No entanto, quando consideramos a definição utilizada para o comodismo, vamos compreender que o comodismo vai muito além disso.

Para conseguir adotar e permanecer com um estilo de vida fisicamente ativo e mais saudável, TODO SER HUMANO, isso mesmo, TODO SER HUMANO  precisará:

  • Aprender a fazer esforço mental e físico
  • Ajustar a rotina
  • Superar a barreira inicial do esforço, sem resultado aparente

Então vamos começar falando sobre enfrentar o incômodo de fazer esforço mental e físico.

Você imagina o porquê eu digo que é necessário esforço, aliás, bastante esforço mental para se tornar e se manter fisicamente ativo? E o porquê que eu digo que esse esforço é incômodo?

Deixe eu explicar melhor: o esforço mental começa com a tomada de decisão, ou seja, quando você diz para si mesmo: “Eu vou começar a me exercitar”! Isso pode parecer algo simples, mas não é. Tanto não é que, a maior parte da população mundial é sedentária por não ter força mental suficiente para tomar essa decisão. Seja você que está lendo, um praticante regular de exercícios físicos ou não, você com certeza já ouviu muita gente dizer. Coisas como: “semana que vem eu começo”, ou, “agora eu vou ficar firme”. Mas infelizmente pouquíssimo tempo depois, a maioria das pessoas que dizem esse tipo de frase são as mesmas que estão encontrando inúmeras justificativas para aliviar sua própria consciência, pelo fato de não terem se mantido tão firmes em seus objetos como haviam prometido.

Essa desistência precoce se dá em grande parte pelo fato das pessoas não trabalharem vários aspectos mentais que serão importantes para a adoção é manutenção de hábitos de vida mais saudáveis. Quais são alguns desses aspectos mentais? Como posso trabalhar neles?

1 – Querer atalhos e economia de esforço

A inovação tecnológica que consumimos está quase sempre relacionada a fazer as coisas mais rápido e fazer as coisas com menos esforço. Como assim?

Para trocar o canal de televisão ou aumentar o volume? Criamos o controle remoto.

Precisa abrir o portão? Criamos o portão eletrônico

Para abrir o vidro do carro? Vidro elétrico e por aí vai.

Essas inovações e outras que estão por vir são boas, mas muitas vezes elas podem ter um impacto em nosso comportamento mais profundo do que imaginamos ou reconhecemos. Como assim? Sem perceber a maioria das pessoas está transferindo essa lógica, quase que universal, de evitar esforço e sai procurando um programa de alimentação e exercícios físicos que resulte em resultados rápidos e com pouco ou nenhum esforço.

As pessoas podem se desaperceber disso, mas a indústria não! E de maneira bem oportuna, fatura muito com isso. É quase Infindável a lista de programas e produtos que oferecem verdadeiros milagres, você compra e não precisa fazer quase nada e vai se transformar em pouquíssimo tempo. Igualmente grande é o número de comodistas que caem nesse tipo de fria.

Vá por mim. Isso é furada! Nada disso é consistente, nada disso é real e verdadeiramente benéfico. Mesmo quando aparentemente o resultado é alcançado, dificilmente esse tipo de resultado gera uma real melhora da condição de saúde.

Para não cair nesse tipo de roubada, o melhor que você tem a fazer, é se ESFORÇAR em mudar a sua programação mental e compreender, aceitar, aderir e propagar a ideia de que bons resultados em termos de alimentação e exercício físico vão envolver bastante esforço físico e mental. Quando você tiver alcançado isso você estará mais apto a colocar seus planos em prática e a colher os reais benefícios de aumento de saúde que o estilo de vida saudável pode lhe proporcionar.

Muito bem! Até agora vou te dar tempo para refletir nisso e mudar sua maneira de pensar. Pare de ser comodista e assuma o fato de que, se você quer ter mais saúde, não conseguirá comprar isso com dinheiro. Antes de mais nada você deve entender, aceitar, aderir e propagar a verdade. Ser saudável exige esforço físico e mental. Mas todo o esforço nesse sentido vale a pena.

Ainda sobre como o COMODISMO é um obstáculo que te atrapalha a ter um estilo de vida fisicamente ativo, falta esclarecer sobre encarar o incômodo de:

2 – Ajustar a rotina

3 – Superar a barreira inicial do esforço sem resultado aparente

Esses temas vão ficar para postagens futuras. E depois deles ainda virão outros como:

4 – procrastinação

5 – diálogo interior negativo

6 – erros de escolha

7 – pressa

8 – falta de persistência

9 – trabalhar demais

10 – descansar “de menos”

11 – falta de meta específica

12 – comparação inadequada

Se você gostou e se identificou com o que foi dito ou acha que isso pode ser de ajuda para alguém, deixe seu comentário, compartilhe, e mais importante, continue acompanhando o blog para ver aonde essa conversa vai parar.

Um grande abraço!”

Felipe Brandão Bastos,

29 anos, casado e apaixonado, sem filhos.

Bacharel em Educação física pela faculdade Estácio de Sá desde 2013. Professor de ciclismo indoor, personal trainer, e treinador certificado de CrossFit level 1.

Praticante regular de exercícios físicos desde os 15 anos de idade.

Quer saber mais sobre vida saudável? Visite a Fitness Magazine Brasil