O que podemos fazer para nossos filhos terem hábitos alimentares saudáveis?

Desde que Luana, hoje com 11 anos, começou a comer sozinha escuto quase que diariamente a pergunta: “Mamãe, posso ficar só hoje sem comer salada?” minha resposta é sempre a mesma, “NÃO!”

Já fui taxada de radical, e outras palavras mais, por causa de minha postura alimentar com as meninas. Não me importo! Quero ter a certeza que o trabalho de base foi feito e se um dia decidirem, ao sair de casa, não se alimentar mais assim, vou lamentar, mas minha consciência vai estar tranquila.

Muitas vezes a alimentação saudável pode parecer difícil de ser seguida, mas na verdade é bem simples: precisamos daqueles nutrientes dos alimentos que a natureza nos oferece, ou seja, quanto mais natural e  integral for o alimento que você coloca na mesa de sua casa, mais fácil será conseguir os nutrientes que seus filhos precisam para serem saudáveis.

Lógico, que na prática  sabemos que muitas vezes as coisas não vão funcionar desta forma. Nossos filhos nem sempre comem o que oferecemos. E quando estiverem maiores farão as próprias escolhas. Como podemos então ajudá-los a crescer, alimentando bem e   que possam continuar fazendo escolhas saudáveis quando estiverem fora de nossa casa?

De acordo com especialistas os alimentos que oferecemos aos nossos bebês em crescimento podem ajudar a moldar seus padrões alimentares à medida que crescem.

Se oferecemos apenas coisas doces como bananas, batata-doce, maçã provavelmente irão preferir um paladar mais doce. Tente começar com algo como espinafre e brócolis antes de apresentar o doce. Troque uma idéia com o pediatra.

À medida que seu filho cresce, tente continuar oferecendo mais vegetais do que frutas e doces. O paladar de cada criança é diferente, então será mais fácil para alguns do que para outros, mas vale a pena o esforço.

Minhas filhas demonstram interesse em cozinhar sempre que as convido. Muitas vezes, quando resolvo fazer alguma receita nova, com legumes e ingredientes integrais, sei que a chance das meninas experimenta-la é pequena e uma boa estratégia é pedir uma ajuda para cozinhar, sendo assim elas mostram bem menos resistência, e muitas vezes comem com gosto, sabendo que ajudaram a fazer aquele prato!

Falo abertamente com as meninas sobre como certos alimentos podem realmente fazer mal à saúde. Na maior parte das vezes esses alimentos são açucarados, com farinha refinada ou alimentos muito industrializados.

O vício em açúcar é uma coisa real, muito perigosa e não é algo que queremos para nossos filhos. Sabemos que o mecanismo de ação do açúcar no cérebro é bem semelhante ao das drogas, além de causar a obesidade e diabetes tipo 2 mais tarde na vida.

Na prática as coisas aqui em casa funcionam mais ou menos assim, não compro, não ofereço, mas permito de vez em quando fora de casa: refrigerantes, bolachas recheadas, doces, etc…

Sempre tenho à vontade na cozinha: frutas, legumes, iogurte, castanhas, leite, cereais integrais.

Como adoro cozinhar, estou sempre buscando receitas novas com ingredientes frescos e nutritivos.

Conseguir que nossos filhos comam de maneira saudável pode, às vezes, ser uma luta, mas é uma luta de amor e que podemos sair vitoriosas com o tempo. Mesmo que pareça que nada está funcionando, nossos filhos absorvem mais do que podemos imaginar. ]

Na minha casa, quando criança, tive a sorte de ter pais que tiveram a preocupação com a alimentação de qualidade e hoje sigo este exemplo. Queremos que nossos filhos cresçam saudáveis, não queremos? de quebra nos mantemos saudáveis também! Vamos seguir firmes fazendo nosso melhor.

Anúncios

Autoestima e a Maternidade

Durante boa parte de minha vida conheci mulheres que enxergavam a  maternidade através de lentes cor-de-rosa,  e quase nunca escutava sobre às partes desagradáveis ​​de  criar filhos, o “lado negro da força”. Minha mãe, sempre muito presente e dedicada não nos criou com esta ilusão romântica, e agradeço muito a ela por isso!

Ter um filho é uma das maiores mudanças que podemos experimentar na vida, então seguindo está lógica, é esperado que a maternidade carregue com ela vários tipos de mudanças psicológicas e consequentemente físicas, não é mesmo?

Comigo não foi diferente, minha autoestima nunca foi muito boa, e antes da maternidade não era muito vaidosa e a preguiça de praticar esportes era maior do que a vontade de estar em forma. Não é difícil de imaginar que logo após o nascimento de minha primeira filha, com o ganho de peso, cansaço e toda bagagem que vem junto a autoestima piorou muito. Somente de 4 anos para cá eu realmente fiz as pazes com ela.

Recentemente, um grupo de pesquisadores analisaram dados de 84.711 mães norueguesas, concentrando-se em como tornar-se mãe afetava a autoestima e a satisfação das mulheres com seus relacionamentos amorosos.

Primeiro, os pesquisadores descobriram que, em média, a autoestima das mulheres diminuiu ao longo da gravidez. Quando as mulheres se tornaram mães, sua autoestima começou a aumentar novamente mas apenas por seis meses! A partir dos seis meses, a autoestima das mães sofreu uma diminuição gradual e prolongada.

Quando se trata de satisfação no relacionamento, os efeitos típicos da maternidade não parecem ser muito melhores.

Os pesquisadores descobriram que as mães de primeira viagem tendem a ficar muito satisfeitas com seus relacionamentos amorosos durante a gravidez. No entanto, essas mães experimentaram um declínio precipitado na satisfação do relacionamento na época do parto. Depois desse ponto, a satisfação com os relacionamentos continuou a diminuir gradualmente nos próximos anos.

Claro, estas são tendências de como ter filhos afeta as mulheres, em média, com variação de uma mulher para a outra.

Não precisamos destes dados para confirmara algo que basta a gente observar a nossa volta. Quantas de nós éramos mais vaidosas, satisfeitas com a nossa aparência e com o relacionamento antes da maternidade?

Podemos pensar os porquês desta mudança negativa: a falta de liberdade; de individualidade; as mudanças no corpo; no sexo com o parceiro; as culpas; as inseguranças; a falta de tempo só nosso; o cansaço….

Se a maternidade tem um efeito sobre a autoestima, como o estudo diz, não é razão suficiente para suportar aqueles primeiros anos mais difíceis. Três anos, ou mais, se uma mulher tiver mais que um filho, é muito tempo para se sentir deprimida. É o suficiente para mudar o curso da sua vida.

Embora estivesse fora do escopo do estudo norueguês determinar as causas ou fazer sugestões de como melhorar as coisas, o ato de fornecer dados e informações já é uma grande luz.

Este estudo oferece às mulheres que sofrem com a baixa autoestima depois de ter filhos o pequeno conforto de saber que o que estão vivendo é normal e, com sorte, a possibilidade de desistirem de abraçar demandas desmedidas na maternidade.

O amor próprio e os cuidados com nossa saúde e bem estar físico e psicológico, tem que ter sim, um lugar de destaque em nossas prioridades. Cuidar e amar a si mesma, para poder cuidar e amar o próximo!

Egoísta eu?!

Assim que me tornei mãe pela primeira vez, acredito que como outras muitas mulheres comecei a viver uma fase em que a prioridade era cuidar da minha filha, da casa, do marido e de certa forma eu não conseguia mais cuidar de mim mesma.

Me sentia exausta e sem energia. Eu sabia que algo precisava mudar, e aconteceu … Aprendi a ser egoísta. E aprendi que era o melhor presente que eu poderia ter dado a mim mesma e à minha família também.

Definitivamente a palavra “egoísta” remete a um sentimento negativo, a moralidade exige que sejamos altruístas, mas gostaria de apresentar a palavra no sentido de “cuidar de si mesma”. Arrisco dizer que o egoísmo é saudável quando não esquecemos os nossos deveres e não ultrapassamos o direitos dos outros.

Nós mães e mulheres  somos educadas desde pequenas a cuidar do próximo, o que é natural e muito incentivado, aprendemos a cuidar e servir a todos menos a nós mesmas. Muitas vezes sacrificamos nossa saúde, boa forma, nutrição e serenidade para atender as necessidades e desejos de nossos filhos, marido e família.

Como ser feliz, forte e saudável para quem você ama se não se cuidar? Você só vai conseguir, se for um pouco egoísta todos os dias reservando um tempo para olhar para si mesma e escutar seus anseios e respeitar seus limites.

Quando deixamos de cuidar de nós mesmos, perdemos a força, nos sentimos esgotadas e com baixa auto estima, além de mostrar aos nossos filhos que as nossas necessidades  não são importantes como as deles.

Como queremos reconhecimento e amor se nós mesmas não nos amamos o suficiente?

Tudo isso que hoje escrevo aqui não veio de forma simples e natural em minha vida. Como já relatei em outros posts, tenho aprendido com o tempo a me amar de verdade, de forma lenta e madura. Ainda sinto dificuldade em dosar e saber até onde devo respeitar minha vontade e o quanto devo ceder para conseguir equilíbrio. Mas o fato é que viver este “egoísmo” que nada mais é do que cuidar de mim mesma, tem me feito uma mãe e esposa melhor.

Alguns exemplos de hábitos que inseri em minha vida:

  • Alimentar bem e adaptar a minha dieta saudável para a família. Eu cozinho e compro aqueles alimentos que considero saudáveis. Minhas filhas comem aquilo que eu ponho na mesa, e não o contrário.
  • Tenho meu horário de programação na TV. Acompanho jornais e séries, durante estes horários as meninas podem ler, desenhar, jogar um pouco no tablet.
  • Treino pela manhã, assim que deixo as meninas na escola. Meu exercício é sagrado!
  • Dividir tarefas domésticas com o marido, mesmo sendo dona de casa, me dou o direito de sentir cansaço e pedir ajuda em tarefas de casa e com as meninas (sem culpa).
  • Falo abertamente sobre meus sentimentos com a família. Quando estou cansada, sobrecarregada ou chateada, exponho o que sinto e peço a colaboração de todos, assim como faço com eles.

Hoje reconheço minha força interior e cuido da melhor forma que posso de minha família, mas deixei de lado a posição de “super heroína” pois este papel já aprendi que não me faz bem!

Nutrição e Imunidade; por Giovana Zampieri

O inverno está chegando e junto com ele o aumento da frequência de gripes, resfriados, sinusites, tosse, dores de garganta e outras doenças que envolvem o sistema respiratório. E, mais do que em outras épocas do ano encontramos matérias e publicações nos chamando atenção para fortalecer nossa imunidade. São diversos fatores que influenciam negativamente o nosso sistema imune: estresse, sono de baixa qualidade ou privação de sono, alimentação pobre em nutrientes, excesso de atividade física sem correta recuperação, problemas na digestão e absorção de nutrientes e disbiose (desequilíbrio da flora intestinal).
A alimentação desempenha um papel determinante para melhora da imunidade, fornecendo energia e vários nutrientes para a formação de células e outras substâncias envolvidas no nosso sistema de defesa. Em contrapartida, alguns hábitos alimentares podem minar nossa capacidade de defesa, o abuso no consumo de produtos industrializados, ricos em açúcar, aditivos químicos (como corantes e aromatizantes) e gorduras ruins (trans e saturadas) propiciam processos inflamatórios e deprimem a resposta imune. Consumir açúcar em excesso pode causar uma queda na capacidade do nosso organismo de destruir vírus e bactérias. O álcool e o fumo também causam prejuízos por estimularem a produção de radicais livres e estarem associados ao surgimento de diversas doenças crônicas. Dietas extremamente restritas em calorias também podem influenciar uma queda na imunidade.
A boa notícia é que nosso organismo responde muito bem quando investimos em uma alimentação saudável. No que diz respeito a imunidade, muito pode ser feito através da alimentação. Segue agora algumas dicas de alimentos para dar um “up” no seu sistema de defesa.

Vegetais folhosos de coloração verde escura
Alimentos como a couve, o agrião e o brócolis, são ricos em antioxidantes, substâncias capazes de combater a ação de radicais livres (agentes que causam danos às células e facilitam o surgimento de doenças). Além disso, possuem alta concentração de ácido fólico, uma vitamina essencial para a formação dos linfócitos (células de defesa). O agrião, por exemplo, possui propriedades expectorante, adstringente, descongestionante, digestiva, fortificante, tônica, depurativa, cicatrizante, antitérmica e anti-inflamatória. Consuma esses vegetais ao menos 3x por semana, em saladas, sucos ou em recheios de panquecas.

Frutas e legumes amarelo-alaranjados
Boas fontes de vitamina C, como a laranja por exemplo. Esses alimentos estimulam a produção de glóbulos brancos, fundamentais para a resposta imunológica, e desta forma aumentam a resistência a infecções, especialmente respiratórias. Alimentos como o abacaxi, a acerola, a manga, o mamão o pimentão e a cenoura também são ricos em betacaroteno, um pigmento que confere a esses vegetais, além da coloração característica, importantes propriedades antioxidantes. Este carotenoide também é conhecido por ser precursor da vitamina A. Esta vitamina modula a resposta de células fagocitárias, estimulando a fagocitose (que ajuda a matar vírus, bactérias, invasores, etc.).

Alimentos de coloração roxo-avermelhada
Os morangos, amoras, uvas, beterrabas e tomates são ricos em flavonoides, em especial a antocianina. Esses compostos fitoquímicos reduzem a ação dos radicais livres, combatem o envelhecimento precoce das células e melhoram a função imune por aperfeiçoarem a resposta dos anticorpos.

Geleia Real
A secreção, produzida pelo organismo da abelha, é rica em proteínas, vitaminas do complexo B, minerais antioxidantes e gorduras boas. Devido a sua composição tem ação anti-inflamatória, auxilia na redução do cansaço físico e mental e fortalece o sistema imunológico. Pode ser encontrada em cápsulas ou in natura. OBS: Deve ser utilizada somente após 2 anos de idade e algumas pessoas podem apresentar reações alérgicas.

Própolis
Rico em flavonóides de ação antioxidante, auxilia no combate às doenças, atuando também como um “antibiótico natural” em casos de inflamação e infecção.

Ômega 3
Potencializa o combate aos radicais livres e propicia maior ação anti-inflamatória. Este ácido graxo pode ser encontrado em peixes de águas profundas como o salmão, o atum e a sardinha, além de estar presente em alguns óleos vegetais.

Fibras prebióticas
A presença da microbiota intestinal saudável é necessária para alcançar a boa função imune, incluindo a produção de anticorpos e a manutenção da saúde da mucosa intestinal, reduzindo o risco de contrair infecções. Por isso, garantir alimento às bactérias boas de nosso intestino é de grande valia para nossa imunidade. Manter uma alimentação rica em verduras, legumes e frutas (tudo bem lavado), incluir farinhas funcionais como a farinha de banana verde, de maracujá e de aveia, acrescentar biomassa de banana verde às preparações, são maneiras de contribuir para o bom funcionamento intestinal e melhora na imunidade.

A tão comentada vitamina D
Você já fez um exame pra avaliar o status da vitamina D em seu corpo? Ela é um potente modulador do sistema imune. Tem sido demonstrada uma relação entre a deficiência de vitamina D e a prevalência de algumas doenças autoimunes, como diabetes melitos insulino-dependente (DMID), esclerose múltipla (EM), artrite reumatóide (AR), lúpus eritematoso sistêmico (LES) e doença inflamatória intestinal (DII). Sugere-se que a vitamina D e seus análogos não só previnam o desenvolvimento de doenças autoimunes como também poderiam ser utilizados no seu tratamento. As principais fontes alimentares são os carnes, peixes e frutos do mar, como salmão, sardinha e mariscos, e alimentos como ovo, leite, queijos e cogumelos. Além dos alimentos, a principal fonte desta vitamina é a sua produção na pele a partir da exposição dos raios do sol, sendo importante tomar banho de sol diariamente, durante cerca de 15 minutos.
Vale ressaltar que teriam ainda muitos outros nutrientes que poderiam ser discutidos e apresentados nesta matéria, o complexo B, a vitamina E… De forma que não é possível esgotar o assunto de forma tão rápida. Mas se eu tivesse que escolher uma única dica nutricional para colaborar com o bom funcionamento do sistema imunológico eu diria o seguinte: invista num prato colorido. Isso porque nosso sistema de defesa depende de diversos nutrientes que ajudarão no bom funcionamento das células protetoras e é essa diversidade que vai garantir o aporte dos principais nutrientes envolvidos.

Giovana Zampieri Rojas Gonçalves
Nutricionista clínica e esportiva funcional – CRN 17778

Pequenas dicas para sair de férias com filhos e manter hábitos saudáveis

 

Sempre que começam as férias e os planos de viagens com a família, escuto de muitas amigas algumas preocupações em comum: sair muito da dieta e a impressão de que precisam de uma desintoxicação depois de suas viagens.

Quando visitamos novos lugares, é normal querer provar a culinária local e fazer lanches rápidos e sem valor nutritivo.

Mantenho uma rotina alimentar durante o dia a dia e também acabo deslizando algumas vezes durante estas saídas com a família. Por isso, separei algumas dicas fáceis e práticas que costumamos fazer, para que suas viagens sejam muito mais saudáveis:

  • Leve a comida da família: Em viagens de carro, você pode levar uma sacola térmica com frutas naturais e secas, sucos integrais, iogurtes e “snacks”integrais e nutritivos. Reserve no hotel um quarto com frigobar e veja as regras do estabelecimento que se hospedou, se permitido for,  vá a um supermercado local e abasteça o frigobar com outros bons alimentos.
  • Tenha sempre  garrafas de água com vocês: Além do poder de matar a sede, atitudes simples como beber um grande copo de água ao acordar e durante os passeios vão fazer você se sentir mais disposto.
  • Caminhar bastante: Andar a pé com a família é uma ótima forma de queimar calorias extras e manter sua condição física. Só usamos transporte se realmente as distancias forem muito longas, ou por segurança. Afinal, caminhar é um esforço moderado que pode ser mantido por horas.
  • Começar o dia com café da manhã reforçado:  para nossa família o que mais funciona sempre para não cair em tentações, é tomar um “super” café da manhã, com sucos naturais, frutas, ovos mexidos (crianças também) e alimentos ricos em fibras (cereais, granola). Durante o resto do dia, mantenho intervalos de duas a três horas e comemos frutas e “snack” saudáveis entre as principais refeições.
  • Cuidado com bebidas alcoólicas: Evite o excesso de bebidas alcoólicas durante a viagem, além dos malefícios que todo mundo já esta cansado de saber e o excesso de calorias, quando você passa dos limites a chance de comer muito mais do que comeriam normalmente é bem maior, e assim você vai ter muito mais problemas e trabalho quando a viagem acabar.

Boas férias e bons passeios com sua família!

Um dia na CCXP 2017, mãe e filha

Era quinta feira, 10 da manhã e avistamos de longe uma multidão caminhando sobre o viaduto a caminho da São Paulo Expo. A abertura dos portões da COMIC CON 2017 estava programada para o meio dia.

Luana estava linda com sua peruca longa azul, maquiada e vestida como sua personagem preferida Hatsune Miku .

Quando estávamos aguardando a abertura dos portões, confesso que senti um certo medo ao observar o número de pessoas ansiosas para entrar. Mas logo o medo foi embora.

O evento conta com a expectativa de público de quase 200 mil pessoas e é quase impossível querer aproveitar todas as atrações do evento ou fugir totalmente das filas imensas. Muitos atores, youtubers, blogueiros, cartunistas famosos passam por lá. Espaços de jogos a moda antiga ou tecnólogicos, para todos os gostos.

Ao entrar na Feira cheguei a arrepiar com as primeiras visões dos estandes gigantes. Tudo muito bem montado, organizado e colorido. Fiquei enlouquecida ao ver tantos detalhes para observar e uma trilha sonora para tornar tudo ainda mais épico!

Luana era parada sempre assim como outros Cosplayers para tirar fotografias com os fãs dos personagens. Comemos, passamos por varias atrações e fizemos comprinhas como jogo de RPG e outros. Acabamos não entrando em atrações mais concorridas por conta do tamanhos das filas, mas garanto que mesmo assim, o local garante todo entretenimento para as mães nerds e nossos filhos.

Ficamos algumas horas, o suficiente para rodar o espaço, se divertir e visitar todos os locais que planejamos. Fiquei encantada com a organização, a estrutura e todas aquelas pessoas felizes vivendo seus personagens por um dia.

CCXP 2018, espere por nós e vai ser ÉPICO!

Vale fim de semana com marido; Mi Buenos Aires Querido

 

Ganhei o vale fim de semana com o marido,  de meus pais que se prontificaram a ficar com minhas filhas para que eu pudesse acompanha-lo durante seu trabalho. Meu marido é piloto e sempre que posso fazer estas viagens curtas aproveito, para poder sair da rotina e ter um momento só nosso.

Embarcamos para Buenos Aires, cidade que eu amo e já pude visitar algumas vezes. O voo noturno chega bem tarde, estava muito sonolenta e fui fazer os procedimentos de entrada no país como já estou acostumada. Não falo nada de espanhol, achei que entendia um bocado e talvez por isso não prestei tanta atenção a senhora da imigração que pegou meu passaporte e questionou em um “portunhol“:

“Vuelo?” , com seu som de”b”, mas sem pronunciar o final, eu com muito sono, viajei em minha mente pensando sobre como ela sabia que meu e mail era BOL….

Respondi: “Bol!” afirmando. Ela continuou perguntando “Vuelo?” e eu confimava “BOL”, ela passou para a pergunta seguinte sobre onde eu ficaria, respondi em bom português : ” Não sei!”, ela olhou , reparou minha mochila, sem malas e me liberou sem questionar mais, talvez por verificar que haviam outros carimbos de ida e volta no passaporte.

Acordamos no  dia seguinte para fazer um passeio no município de Tigre que fica uns 33 km da cidade de Buenos Aires, nas margens dos Rios Tigre e Luján.

Pegamos um trem de Buenos Aires, partindo da estação Retiro até Tigre, o trajeto leva aproximadamente 50 minutos. Muitos vendedores ambulantes, grupos de jovens cantando canções evangélicas e pessoas pedindo ajuda finaceira passam pelos vagões até o fim da viagem.

Já em Tigre vimos muitos quiosques vendendo várias opções de passeios de lanchas e barcos de passageiros, para todos bolsos e gostos, que navegam até as diferentes ilhas e rios que fazem parte do chamado Delta del Tigre. Optamos por um percurso de uma hora, com guia. Adorei o lugar, o astral e o passeio.

A noite decidimos por um jantar rápido perto do Hotel para podermos conversar e tomar um vinho, fomos comer uma pizza no El Cuartito,  o lugar lembra um boteco decorado com quadros de personalidades do tango, esporte e futebol e é frequentado por portenhos e alguns turistas. Sentamos em uma mesa mas algumas pessoas comem em pé nos balcões. O  restaurante existe desde 1937 e serve pizzas de massa grossa, deliciosas! Como mantenho na rotina uma dieta com restrição de carboidratos, quando viajo para fora me dou o direito de comer de tudo. Na Argentina aprecio muito as empanadas, medialunas e as pizzas.

Decidi escrever aqui no blog pois toda mãe também é esposa. Acredito que estes momentos sem filhos são preciosos para a relação a dois. A maternidade muitas vezes nos faz deixar um pouco de lado o cuidado, conversas longas e o olhar sedutor para a relação e o parceiro, de antes do nascimento dos filhos. Fiz 18 anos de casada, já passamos por momentos de muita crise e hoje sei o quanto é necessário este cuidado de ambas as partes com a relação. Sei que nem todo mundo tem a facilidade para viajar a dois, sem filhos, mas as vezes sair para jantar em um lugar gostoso, já pode ajudar bastante.

Não podemos achar que filho segura o relacionamento, e sei que ninguém gostaria de imaginar que o parceiro esta na relação somente pelos filhos. Deixo aqui no meu texto, pequenas dicas sobre uma cidade muito bacana para passear a dois, já que sempre que chego por lá fico em torno de 48 horas, além de lembrar de que temos que cuidar de nossas relações com a atenção e carinho que cuidamos de nossos filhos.